Nunca os vidros estiveram tão em alta como atualmente. Hoje eles estão espalhados pela casa, desde as tradicionais portas e janelas, até móveis e eletroeletrônicos. Esta democratização do material requer das donas de casas certos cuidados com a manutenção para que não percam seu brilho e transparência.

Aqui vão algumas dicas de como mantê-los limpos

– Dias nublados são melhores para a limpeza dos vidros de janelas e portas. Isto porque em dias ensolarados a incidência de luz do sol direta acaba secando o produto de limpeza muito rápido prejudicando a limpeza.

– Água morna remove gorduras de mesas de centro e mesas de jantar.

– Cantos de janelas e portas devem ser limpos com escova de dente ou cotonetes

– O ideal é limpar um lado da janela com movimentos horizontais e o outro lado com movimentos verticais, assim será mais fácil identificar manchas.

– Nos boxes dos banheiros e até nas janelas e portas, o ideal é aplicar impermeabilizantes sobre a superfície pelo menos uma vez por mês. Sem esta aplicação, torna-se imprescindível a limpeza diária após o banho;

– Vidros jateados, o cuidado deve ser maior porque eles são porosos e mancham com facilidade. Limpe-os com panos que não soltam pelo.

– Vidros serigrafados e espelhos exigem limpeza diária pois sujam com mais facilidade. Evite danificá-los com água em abundância e produtos químicos.

– Após a lavagem e secagem, para obter um brilho reluzente, pode-se polir as janelas e portas com camisetas de algodão, fraldas de tecido ou até um jornal amassado. O papel ainda deixa uma película que é resistente à sujeira.

Receita de limpa vidros caseiro

– 1/2 copo de álcool

– 1/4 de colher (chá) de detergente

– 2 colheres (sopa) de amônia

Misture todos os ingredientes em uma garrafa pequena com borrifador. Complete com água e misture bem. Atenção: a amônia pode ser substituída por 3 colheres (sopa) de vinagre ou suco de limão.

Fonte: Vidrado

Bookmark and Share

Não existe vida nem história sem objetos, dizem os antropólogos. Isso explica os museus, as coleções de selo e até a pilha de revistas no canto da estante.  Não explica, porém, como e por que cada vez mais há quem adore (e estoque) bugigangas que, segundo a definição do dicionário, já deveriam estar no lixo.

“Objetos são muito mais simbólicos do que funcionais. Eles têm valor afetivo”, diz o antropólogo Everardo Rocha, da PUC-Rio.

“Cada um quer ser curador da própria vida, ter uma coleção imensa de objetos. Muitas pessoas não sabem mais o que é lixo e o que não é.”

A antropóloga e pesquisadora da Unicamp Valéria Brandini diz que os objetos carregam escolhas. Por isso é tão difícil jogar fora algo que, para os outros, não passa de quinquilharia. “Livrar-se de uma roupa velha pode significar perder uma parte de você, mesmo sabendo que aquilo pode ser útil para alguém.”

De acordo com a psiquiatra Ana Gabriela Hounie, da Associação Brasileira de Psiquiatria, o colecionismo (mania de guardar objetos), quando em excesso, pode ser sintoma de transtorno obsessivo-compulsivo ou estar associado a depressão.

Essas pessoas guardam dúzias de garrafas PET, escovas ou pilhas de enlatados. “Sempre há uma justificativa. Elas dizem que pode ser útil, que vão usar no futuro. Mas, no fim, nunca usam.”

O psiquiatra Alvaro Ancona de Faria, da Unifesp, explica que ter um histórico de dificuldades financeiras pode desencadear o problema. “É um tipo de insegurança. Como se ela precisasse ter gasolina de reserva mesmo com o tanque cheio.”

Segundo Hounie, é difícil diferenciar o colecionismo saudável do transtorno. Muitas vezes, além de guardar, a pessoa compra sem controle.

Os casos mais extremos aparecem com a Síndrome de Diógenes –uma referência ao filósofo grego que vivia dentro de um barril. Quem tem a síndrome vive no meio do lixo, com pouca atenção à higiene, em um ato de autonegligência.

“Há pessoas ricas assim. É um transtorno difícil de ser tratado porque quem tem não se incomoda”, afirma a psiquiatra Bárbara Perdigão, autora de um artigo sobre o assunto publicado na última edição do “Jornal Brasileiro de Psiquiatria”.

Muitas vezes, nem terapia resolve. E, quando a casa é limpa, pouco tempo depois já volta a ficar como antes.
Continue lendo…..

Bookmark and Share

Fonte: Bairros.com: Jornal O Globo

http://t.co/xy7eLcg

 

Bookmark and Share

Foi inaugurada nesta terça-feira (22) no bairro de Vila Isabel, zona norte do Rio, a escola de educação financeira que será administrada pelo Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Rioprevidência). De acordo com o governo do Rio de Janeiro, é a primeira escola financeira do país.

O objetivo, segundo a Rioprevidência, é oferecer cursos gratuitos e presenciais sobre temas financeiros para 430 mil servidores ativos, aposentados e pensionistas estaduais, além do público em geral.

Entre os temas das aulas estão gerenciamento de orçamento familiar, mercado financeiro, créditos e previdência. As inscrições já estão abertas e o início das aulas está previsto apra 4 de abril.

Pesquisamos e descobrimos que muitos dos segurados não conseguiam pagar suas dívidas e faziam empréstimos. No fim, tudo virava ‘uma bola de neve”Gustavo BarbosaFoi inaugurada nesta terça-feira (22) no bairro de Vila Isabel, zona norte do Rio, a escola de educação financeira que será administrada pelo Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Rioprevidência). De acordo com o governo do Rio de Janeiro, é a primeira escola financeira do país.

O objetivo, segundo a Rioprevidência, é oferecer cursos gratuitos e presenciais sobre temas financeiros para 430 mil servidores ativos, aposentados e pensionistas estaduais, além do público em geral.

Entre os temas das aulas estão gerenciamento de orçamento familiar, mercado financeiro, créditos e previdência. As inscrições já estão abertas e o início das aulas está previsto apra 4 de abril.

Escola de educação financeira no Rio (Foto: Divulgação/Governo do Estado do Rio de Janeiro)De acordo com o diretor-presidente do Rioprevidência, Gustavo Barbosa, a autarquia firmou parcerias com outros órgãos e instituições autorreguladoras do Sistema Financeiro Nacional, como a Bovespa e a Comissão de Valores Mobiliários, para realizar as capacitações.

“Criamos a escola porque notamos a necessidade dos servidores ativos, aposentados e pensionistas de aprender como funciona o sistema financeiro, como, por exemplo, o empréstimo consignado. Pesquisamos e descobrimos que muitos dos segurados não conseguiam pagar suas dívidas e faziam empréstimos. No fim, tudo virava ‘uma bola de neve'”, afirmou Barbosa.

Segundo o secretário de Educação, Wilson Risolia, a proposta é aproveitar o espaço do Rioprevidência para que alunos dos ensinos fundamental e médio da rede estadual possam aprender a realizar um planejamento financeiro e assegurar um futuro sem dívidas.

“Está na nossa agenda trazer estudantes dos nossos colégios para participar dos cursos, que são de curta duração e bem práticos. É uma maneira de premiar aqueles que se destacarem nas salas de aula. Eles poderão aprender com profissionais do mercado financeiro de capitais”, disse.

Para fazer a inscrição é só clicar AQUI.

Fonte: G1

Bookmark and Share

A natureza é surpreendente em toda sua diversidade. Todas as coisas vivas que habitam nosso planeta misturam beleza e mistério, muitas vezes incompreensíveis, mas sempre admiráveis.

E uma dessa maravilhas são as flores, que enfeitam nossa terra tão judiada, mas ainda tão prestativa, fornecendo abundantemente esse universo de cores, formas e perfumes.

Não pode existir ser humano que não se deslumbre com tanta beleza.

As flores nos acompanham em todos os momentos de nossa vida, desde que nascemos, quando mães são presenteadas na maternidade, nas festas que organizamos e quando morremos.

Existem tantas formas, cores e perfumes que somos incapazes de eleger apenas uma que apreciamos mais.

Representam também a expressão maior do amor. Quando um homem ama uma mulher, sempre lhe dá flores e ela se sente a mais amada do mundo, quando as recebe.

Ela dá boas vindas, quando imponente nos recebe, em arranjos fabulosos, nas entradas de residências, hotéis, shoppings, escritórios e em outros tantos lugares.

Nossas ruas e avenidas também estão cheias de exemplos de árvores carregadas de flores, que nos assistem em nossa correria diária, no trânsito. Devem ficar imaginando por que corremos tanto e não nos damos ao luxo nem de apreciá-las?

São majestosas e imensas, mas suas copas floridas mostram sua delicadeza. Experimente observá-las enquanto está parada em um congestionamento. Uma sensação de paz e alegria vai invadir seu coração. A vida e beleza estão ali, independentes de nossa percepção

Uma casa com flores é mais aconchegante, bonita e viva, pois ela tem uma energia muito boa. As flores, vivas especialmente, são carregadas com energias positivas e invadem sua casa e sua vida.

Mesmo que você não tenha espaço físico, para ter várias espécies plantadas, pode ter algumas em vasos e transformar seu lar em um jardim florido, colorido e perfumado.

Elas expressam tanta coisa boa e encanta quem as aprecia. É fonte de prazer, felicidade e enfeitam como nenhuma outra coisa é capaz.
E toda essa formosura está ao nosso alcance e existem pessoas que conseguem deixar as flores ainda mais bonitas, com arranjos florais de tirar o fôlego.

Ana Foz, em seu estúdio realiza essa arte, onde mistura cores e formas e absolutamente apresenta um mundo paralelo de imagens, formatos e cores. Um trabalho realmente fascinante, que enche os olhos e a alma de alegria e entusiasmo.

Felizmente, ela ensina essa arte e a espalha por locais onde possa ser apreciada por outros.

E está aqui, em nosso site, para dividir conosco idéias de arranjos que você pode usar na sua casa, trabalho e encontros festivos. E até aprender mais e começar uma nova carreira, onde suas ferramentas serão beleza, perfume e cores fantásticas.

Viva diariamente num jardim repleto dessa beleza, que tão sabiamente a natureza produz e nos presenteia.

Fonte: BBel

Bookmark and Share

Elas não devem ser comuns, muito menos corriqueiras e, quando aparecerem, precisam ser diagnosticadas e tratadas com atenção e cautela. Parece exageiro, mas fissuras, trincas e rachaduras podem prejudicar uma construção inteira e, em alguns casos mais graves, são sinais de que casas e prédios podem desabar a qualquer momento.

Quem não se lembra do famoso edifício Palace II, no Rio de Janeiro, que apenas três anos depois de ser construído desabou, causando a morte de oito pessoas? Rachaduras, trincas e fissuras apareceram na construção meses antes e não foram levadas a sério.

Quando isso acontece, a primeira providência é diferenciar rachadura, fissura e trinca. “Todas são aberturas ocasionadas pela ruptura de um material ou componente, porém possuem tamanhos e profundidades diferentes”, explica o engenheiro Rubens Curti, da Associação Brasileira de Cimento Portland. “Toda rachadura começa com uma fissura, por isso é importante ficar atento e observar a evolução do problema”, completa.

A fissura é uma abertura fina, alongada, inferior ou igual a 0,5 mm e é, geralmente, superfícial, atingindo somente a pintura e o azulejo. Já as trincas, além de serem mais profundas e alcançarem a alvenaria da parede, possuem abertura superior a 0,5 mm e inferior a 1 mm, o que acarreta a divisão das estruturas em duas partes – fator determinante para identificá-las –, podendo afetar a segurança dos componentes da estrutura de um prédio ou casa.

A rachadura tem as mesmas características de uma trinca, mas com aberturas maiores (por volta de 5 mm), mais pronfundas e acentuadas, o que ocasiona interferências indesejáveis como a entrada de vento, água de chuva e até luz. Dessa forma, ao primeiro sinal de qualquer abertura na parede, seja ela pequena ou significativa, é preciso solicitar uma investigação minunciosa por um especialista para descobrir sua origem e causa

O que causa rachaduras

São muitas as causas que provocam o aparecimento dessas aberturas indesejáveis nas paredes. Mudanças de temperatura, recalques de solo, diminuição do tamanho de materiais úmidos, perda de aderência por parte dos revestimentos, dilatação de materiais, excesso de cimento, projetos mal dimensionados e problemas de execução de obras, como o uso de materiais inadequados são alguns exemplos mais comuns encontrados nas residências.

“As pessoas desconhecem os riscos que rachaduras graves podem causar na edificação e não dão a devida atenção ao problema”, afirma Curti. A solução paleativa de “remendar” o problema com argamassa ou fita de TNT deve ser usada com cautela, pois se o problema for mais grave do que uma simples fissura no revestimento, a abertura vai voltar e quanto mais demorar para ser solucionada, maior ficará. “O ideal é buscar ajuda profissional para solucionar o problema com mais segurança e exatidão”, conclui o professor de engenharia civil do Centro Universitário da FEI, Luiz Sergio Coelho.

Fonte: IG

Bookmark and Share

A conta de luz do brasileiro deverá ficar mais cara nos próximos anos. Até 2015, a expectativa é de que o aumento real (descontada a inflação) das tarifas fique entre 8% (residencial) e 19% (industrial), caso não haja nenhuma política setorial para reverter a situação. Além da inflação, as projeções não consideram possíveis aumentos decorrentes da operação das termoelétricas para preservar os reservatórios de água, como ocorreu no ano passado.

Os dados constam de estudo feito pela consultoria Andrade&Canellas a pedido das associações Abrace (grandes consumidores), Abal (alumínio), Abividro (vidro), IABr (aço) e Abrafe (ferro liga). Os cálculos estão baseados numa série de fatores e premissas. A principal delas refere-se ao custo da parcela de energia dentro da tarifa (que inclui ainda impostos, encargos e transmissão), afirma o consultor da Abrace, Fernando Umbria.

Desde 2005, o governo contratou quase 10 mil MW de termoelétricas movidas a diesel e óleo combustível, que custaram entre R$ 139 e R$ 164 o megawatt hora (MWh) apenas pela disponibilidade (se precisarem ser acionadas, o custo sobe para mais de R$ 500). Até 2010, essas novas usinas contribuíram para elevar em 36% (de R$ 75 para R$ 102) o custo médio do mix de energia vendida às distribuidoras, segundo o trabalho.

Essa pressão continuará nos próximos quatro anos, com a entrada de novas usinas no sistema elétrico. A partir de 2015, o início de operação das hidrelétricas de Belo Monte e Teles Pires, que custaram respectivamente R$ 77,97 e R$ 58,35 o MWh, ajudará a reduzir esse impacto. Por outro lado, como as novas hidrelétricas são a fio d’água, o sistema exigirá a entrada em operação de mais térmicas para preservar os reservatórios em períodos mais secos, observa o professor da UFRJ, Nivalde Castro.

Na opinião dele e dos representantes das associações, a grande esperança para reduzir o custo das tarifas está no fim dos contratos de energia velha (de usinas antigas, já amortizadas), a partir de 2013. Serão 19,4 mil MW de capacidade que terão de ser recontratados, destaca o gerente de estudos da Andrade&Canellas, Ricardo Savoia, um dos autores do trabalho. Mas, de acordo com o estudo, cerca de 30% ou 35% desses volumes não voltarão ao mercado cativo (atendidos pelas distribuidoras).

Fonte: G1

Bookmark and Share

O comércio de materiais de construção deve movimentar R$ 76,4 bilhões este ano, ou seja, cada brasileiro deve gastar R$ 469 com estes itens, conforme aponta pesquisa do Ibope Inteligência.

A região Sudeste deve ser responsável por 54,5% dos gastos com materiais de construção este ano, o que representa R$ 41,66 bilhões. Na região, o consumo per capita deve ser de R$ 552.

Em seguida, vem a região Sul, onde o consumo deve atingir R$ 13,14 bilhões (17,2% do total). Apesar do gasto ser menor que na região Sudeste, o consumo per capita será de R$ 559, como pode ser observado na tabela abaixo:

 

Classes

O estudo ainda aponta que a classe B será responsável por 43,2% do consumo, o que totaliza R$ 32,98 bilhões. Segundo o estudo, mais de 11,8 milhões de domicílios são de classe B, representando 23,5% do total.

Já a classe C, cujo número de domicílios chega a 25,2 milhões (50,4% do total), será responsável por 33,1% do total movimentado este ano, o que corresponde a R$ 25,27 bilhões.

A classe A, por sua vez, soma 1,2 milhões de domicílios (2,5% do total) e representa 18,4% do consumo de materiais de construção, ou seja, R$ 14,10 bilhões. A classe DE, responsável por 23,6% dos domicílios (11,8 milhões) deve consumir este ano R$ 4,08 bilhões, o que corresponde a 5,3% do total.

Fonte: Uol

Bookmark and Share

Gastar menos nas contas de casa é simplesmente uma questão de hábito. Duvida? O consultor em finanças Marcos Crivelaro, professor da Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP), prova que em uma residência com 5 moradores, dá para economizar até R$ 100,00 se forem adotadas novas práticas na utilização da energiar elétrica e no consumo de água.

Ainda segundo ele, o reaproveitamento de alimentos gera ua economia de até R$ 70,00 e a produção caseira de materias de limpeza diminui outros R$ 80,0 por mês no orçamento.
O total: R$ 250,00 a mais no seu bolso.

Veja abaixo algumas dicas para economizar:

Chuveiro Elétrico

Ele é apontado como um dos maiores vilões da economia doméstica. Por isso, a primeira dica de Crivelaro é dar preferencia a aparelhos com potência inferior a 4 mil watts, que são mais econômicos. Além disso, feche o registro enquanto se ensaboa e, quando possível coloque a chave na posição “verão”.

Galadeira

Deixe os alimentos esfriarem antes de colocá-los na geladeira: você facilita o trabalho de refrigeração e poupa o aparelho. “Evite forrar as prateleiras da geladeira e do freezer com plásticos, tábuas, vidros ou quaisquer outros materiais para não dificultar a circulação interna de ar frio”, diz o especialista. “Conserve limpa a parte traseira e não a utilize para secar panos ou roupas completa”

Microondas

Use apenas em casos de necessidade e leia o manual de instruções para usar o tempo certo ao aquecer a comida

Torneira

No verão, não é necessário utilizar água quente certo? Procure também ensaboar toda a louça para depois enxaguar tudo de uma vez.

Ferro elétrico

Deixe as roupas se acumularem para usá-lo uma única vez. Coloque na temperatura indicada para cada tipo de tecido e deixe o aparelho desligado quando não estiver usando. “Reserve algumas roupas leves, como as de nylon e as lingeries, apra serem passadas no fianl da operação com o ferro desligado, pois ele ainda estará quente”.

Fogão

Prefira cozinhar uma quantidade grande de alimentos em vez de liga o fogão várias vezes ao dia para aquecer pequenas porções.

Lava-Roupas

Já que será necessária energia elétrica para acionar o motor da máquina de lavar, é melhor colocar nela a quantidade máxima de roupas permitidas para o aparelho. Outra dica é usar a dosagem correta de sabão indicada pelo fabricante para evitar repetições de enxágue. Na hora de compra prefira as lavadoras com abertura frontal pois elas gastam menos água.

Luz

Se a lâmpada fica acessa por mais de 4 horas diárias, prefira as fluorescentes: elas são as mais eficiente do mercado para iluminação residencial e ainda duram até 10 vezes mais que as incandescentes. Limpe regularmente luminárias e arandelas para ter um bom nível de iluminação.

Televisão

Se fica ligada por períodos prolongados de tempo e deve ser monitorada, especialmente quando usada pelas crianças. Desligue quando ninguém estiver assistindo e programe a tevê para não dormir com ela ligada.

Fonte: Guia Mercado Livre

Bookmark and Share

Bookmark and Share