ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta sexta-feira (29) que será prorrogada por mais dois meses a redução das alíquotas de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para produtos da linha branca, como geladeira e fogão. Sem a prorrogação, o IPI menor terminaria neste sábado.

O governo também prorrogou, por mais três meses, a redução das alíquotas do IPI para móveis, laminados, papel de parede e luminárias. O anúncio foi feito após o ministro se reunir na tarde desta sexta, em São Paulo, com representantes da indústria de eletrodomésticos, móveis e varejo.

O ministro informou também que tentará incluir no novo decreto a redução de 5% para zero ad alíquota de IPI para painéis de madeira. A “tentativa”, segundo o ministro, é porque o decreto com os anúncios desta sexta já estava pronto, e precisará ser alterado para incluir o item. Mantega garantiu, porém, que o produto também terá IPI zero até setembro.

A redução do IPI para os painéis foi uma solicitação da indústria de móveis, segundo Mantega, uma vez que o item é considerado uma das principais matérias primas na fabricação de móveis.

Mantega também anunciou a prorrogação, até o final do ano, da isenção de cobrança do PIS e da Cofins sobre massas, que valeria até este sábado. A alíquota, que era de 9,25%, foi reduzida em dezembro do ano passado. A isenção de PIS/Cofins sobre os pães já tinha validade até dezembro deste ano.

Fonte: G1

Bookmark and Share

Bookmark and Share

1. Não faça ameaças se não for cumpri-las

Antes de dizer que o filho desobediente ficará sem sorvete até o ano que vem, os pais precisam pensar – de verdade – se poderão cumprir a promessa. Ameaçar e não cumprir, para o psicólogo Caio Feijó, autor do livro “Pais Competentes, Filhos Brilhantes – Os Maiores Erros dos Pais na Educação dos Filhos e os Sete Princípios Fundamentais para Prevenir essas Falhas” (Novo Século Editora), gera filhos que perdem o respeito pelos pais. Se ele não se comportou direito, melhor vetar aquela festinha do amigo que está próxima – e cumprir – do que proibir que ele jogue videogame para sempre.

2. Não ceda

Não vale ser indulgente com a indisciplina do filho porque você trabalha fora e se sente culpada, nem por achar que ele deixará de amá-la – medos bem comuns, segundo a psicóloga Dora Lorch, autora do livro “Superdicas para Educar bem seu Filho” (Editora Saraiva). Se uma posição foi determinada, não volte atrás. A postura, segundo Caio Feijó, é essencial para as crianças não serem tão resistentes com os limites impostos.

Dica: Leve em consideração se o seu filho está passando por um momento difícil – como a perda de um animal de estimação.

3. Evite recompensas

O comportamento adequado não é uma moeda de troca. Os pais não devem prometer um brinquedo novo para o filho se comportar em um restaurante. “Dessa forma ele acreditará que tudo na vida se resolve negociando”, afirma a psicóloga e pedagoga Regina Mara Conrado, autora do livro “Filhos e Alunos sem Limites: Um Desafio para Pais e Professores” (Editora WAK) ao lado de Lucy Silva.

Dica: Não coloque a recompensa como um prêmio, mas saiba reconhecer a boa conduta da criança com palavras. Presentes não são proibidos, mas o psicólogo e terapeuta familiar João David Cavallazzi Mendonça sugere dá-los só às vezes.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Clique na imagem e faça o teste

Bookmark and Share

Ambientes fresquinhos são os mais disputados nos dias quentes, mas é preciso atenção para mantê-los saudáveis. “O aparelho deve ser higienizado com frequência, pois a sujeira é a maior desencadeadora de doenças respiratórias”, alerta Ricardo Milinavicius, diretor da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).

Para a correta manutenção é necessário limpar filtros e dutos internos. “É neles que os micro-organismos (ácaros e bactérias) e resquícios de água ficam alojados”, diz o pneumologista.

Um dos sintomas da falta de cuidados é a diminuição do rendimento do condicionador, que não consegue resfriar o ambiente. “O odor desagradável e o aumento do consumo de energia sem motivo aparente também são sinais de que alguma coisa está errada”, afirma Ramaciotti Eulógio Ramaciotti, engenheiro da STR Ar-Condicionado.

Como limpar
A atitude mais indicada pelos fabricantes para evitar esses problemas é a manutenção preventiva (lavagem do filtro), que deve ser realizada a cada dois meses. “Esse procedimento é simples e pode ser feito pelo próprio morador”, explica Marcelo Braz, engenheiro da Komeco.

Basta retirar o filtro de ar, utilizado para a retenção da poeira grossa, e remover as impurezas com água corrente e sabão neutro. Antes de recolocá-lo, certifique-se de que a peça está totalmente seca.

Já para a higienização anual dos dutos é preciso contratar mão-de-obra especializada, pois o equipamento é levado para a oficina para passar por um processo de assepsia interna desenvolvida com produtos químicos.

Fonte: Delas

Bookmark and Share

1. Sacos de Gelo

Coloque sacos preenchidos com 1/4 de água dentro dos sapatos, pressionando-os para dentro da parte do sapato onde aperta mais o seu pé. Deixe os sapatos no freezer ou geladeira. Retire-os quando a água virar gelo.

Leve os sapatos ainda com os sacos para um lugar com temperatura ambiente até que a água dos sacos derreta. Retire os sacos e seque os sapatos.

2. Álcool e papel

Aplique álcool ou água na parte interna dos sapatos. Complete com papel amassado, limpo e úmido. Aperte bem e aguarde 12 horas. Retire o papel e calce o sapato ainda úmido para tomar a forma do pé.

3. Condicionador de Cabelo

Passe condicionador de cabelo na borda interior do sapato. Cuidado para não melecar a parte de fora – dependendo do material de que é feito o calçado pode manchar (como tecido ou camurça). Passe uma quantidade razoável, suficiente para cobrir toda a área interna da borda que está pegando no seu pé. Deixe descansar um dia (se estiver com pressa algumas horas já ajudam) e passe um pano seco para tirar o excesso. Não funciona para sapatos de plástico ou de material sintético.

4. Modeladores de Sapato

Utilize modeladores de sapatos que além de amaciar o couro, ainda proporcionam um cheirinho gostoso e conservam melhor os calçados.

Fonte: OZ!

Bookmark and Share

Há muito não vemos, pelo menos nas casas da cidade, um varal cruzando o quintal de muro a muro. Até porque hoje não se faz mais isso no quintal e sim na área de serviço ou lavanderia. Mas deixando o saudosismo de lado, fato é que o varal evoluiu muito na última década.

Quase não existe situação que não possa ser resolvida por algum modelo. As possibilidades são tantas que, em alguns casos, ajuda a solucionar até problemas arquitetônicos, isto é, quando a área de serviço está mal posicionada em relação ao entorno e não recebe vento nem tampouco sol. Nessa situação, entra em cena o varal de piso, que pode, em uma emergência, ser levado para a varanda gourmet ou até mesmo na sala.

Uma grande inovação foi em relação ao material. Anteriormente, os varais eram confeccionados em ferro com pintura emborrachada. Hoje podem ser de aço pintado, aço inox, alumínio anodizado ou com pintura eletrostática. Os de alumínio têm as varetas um pouco mais robustas e pedem pregadores especiais.

Quanto aos tipos, podemos dividi-los em dois: fixos, de teto ou de parede, e móveis. Os modelos de teto são: 1) o tradicional, com variação de largura de 1 m a 1,50 m por 50 cm, 6 varetas e cordas unidas e encaixadas em um gancho fixado na parede (É possível substituir esse gancho por uma manivela para facilitar a subida e descida do varal); 2) outro semelhante, mas com uma tela acima das varetas que possibilita a secagem de roupas que não podem ficar penduradas ou tênis; 3) e ainda, o modelo com o comando individual, com uma corda para cada vareta

Existe um produto não só com a possibilidade de descer as varetas uma a uma, mas também de regular a sua altura individualmente com uma argola que não fica presa à parede e sim na própria vareta. Essa solução ajuda na secagem das roupas penduradas, quando o varal não consegue ficar na situação perpendicular à janela ou ainda quando existe tanta janela e armário que não sobra espaço para o gancho que prende às cordas ser fixado na parede.

Esses varais com varetas individuais podem tanto ser fixados no teto como na parede. Mesmo quando o forro é de gesso é possivel instalar um varal. Para isso, basta utilizar hastes que ficarão entre a laje e o forro. Esse serviço é oferecido por empresas especializadas.

Continue lendo…

Bookmark and Share

O percentual de famílias brasileiras com dívidas cresceu na passagem de abril para maio, segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado nesta terça-feira (12). Em maio, 46,5% das famílias afirmaram possuir dívidas – em abril, essa taxa era de 45,4%.

A dívida média das famílias, no entanto, recuou na mesma comparação, de R$ 5.591,27 para R$ 5.540,86. “Apesar do declínio da média da dívida desde o mês de setembro, a partir de fevereiro observa-se uma tendência de alta no endividamento médio da família brasileira”, diz o Ipea em nota.

Entre as famílias endividadas, 15,74% afirmaram ter condições plenas de quitar suas dívidas no mês, enquanto 45,93% conseguirão quitar parcialmente, e 36,48% afirmam não ter condições de quitar plenamente seus débitos.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Há infinitas possibilidades de cores, acabamentos, funções e texturas para revestir pisos e paredes de todos os cantos de sua casa, de banheiros a varandas. Na hora de escolher por algum deles, leve em consideração o uso do espaço e a manutenção necessária. As opções mais comuns ainda são a pintura e a aplicação de azulejos, mas os ladrilhos hidráulicos, mais artesanais, estão voltando com tudo à moda.

“Se você quer dar uma cara nova à sua casa, aposte nas cores. E a opção mais rápida e barata é, sem dúvida, a pintura”, afirma a arquiteta Natália Cavalcante, do escritório NAU Arquitetura. Mas antes de escolher a cor é importante que você observe os tons dos pisos, móveis e adornos, para que o resultado fique harmonioso. Lembre-se ainda que existe um tipo de tinta adequado para cada ambiente e superfície. Na hora de aplicar, siga as instruções e recomendações do fabricante.

Os ladrilhos hidráulicos são porosos e exigem a proteção de um impermeabilizante
Já o ladrilho hidráulico é um revestimento artesanal feito à base de cimento, com moldes de ferro. Fosco e sem brilho, pode ser encontrado em diversas gamas de cores, notadamente em estampas florais. “A possibilidade de escolher diversas cores e padrões faz do ladrilho um curinga para o projeto. Por se tratar de um revestimento mais rústico, fica muito bem em salas, varandas, áreas externas e cozinhas”, explica o arquiteto Augusto Pinho, também do escritório NAU. Para revestir cozinhas e banheiros com ele é necessário aplicar uma resina para impermeabilização e fazer manutenção com cera líquida incolor a cada 15 dias.

Com acabamento brilhoso e fabricados em diversas cores e estampas, o azulejo nunca ficou de fora da moda na arquitetura e na decoração. “Por ser impermeável é ideal para uso em cozinhas, banheiros e áreas externas. Pode ser utilizado para revestir bancadas de cozinhas, churrasqueiras e mesas, dando um toque especial à residência”, diz. Uma opção muito interessante é fazer um patchwork com diversos padrões, ainda mais agora que os azulejos decorados voltaram com tudo. Essa dica também vale para os ladrilhos hidráulicos.

Tecnicamente os dois têm características bem diferentes. O azulejo é mais prático que o ladrilho, que exige uma manutenção maior e mais constante. Feito à base de terra, o azulejo recebe uma camada vítrea em sua parte superior, que o torna impermeável. Por isso, até hoje está presente em áreas úmidas, como banheiros, cozinhas ou nas fachadas.

Já o ladrilho hidráulico é um material feito a partir de corantes, cimento e água. Por ser feito artesalmente, tem alto valor agregado. Os ladrilhos hidráulicos são porosos; por isso é necessário proteger o material com um impermeabilizante – óleo fugante ou resina acrílica –, a fim de evitar manchas. Isso deve ser feito peça por peça, antes da instalação. Outra preocupação para quem irá assentá-lo no piso, é que o ladrilho é mais grosso que a cerâmica. Portanto, sua espessura deve ser levada em conta no preparo do contrapiso, para não haver diferença de nível entre um piso e outro.

Continue lendo…

Bookmark and Share

A Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou nesta terça-feira (5) nova redução de taxa de juros para financiamento de imóveis e ampliação, de 30 para 35 anos, no prazo máximo para esse tipo de operação, feito com recursos da poupança.

As medidas começam a vigorar a partir da próxima segunda-feira (11) e só valem para novos financiamentos. De acordo com vice-presidente de Governo e Habitação da Caixa, José Urbano Duarte, o prazo de 35 anos é o maior já praticado no país.

Para imóveis financiados pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), a taxa cai de 9% para 8,85% para todos os clientes. Dependendo do grau de relacionamento com a Caixa, a taxa pode chegar a 7,8%.

Fora do SFH, a taxa de juros, que é de 10% ao ano, cai para 9,9% a partir de segunda-feira, para todos os clientes. Dependendo do relacionamento que a pessoa tenha com o banco, ela pode chegar a 8,9% ao ano.

Em todos os casos citados, não está incluída a Taxa Referencial (TR).

Continue lendo…

Bookmark and Share