A ausência de infraestrutura adequada para o combate do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, foi uma das causas do elevado número de vítimas. A preocupação com a segurança, entretanto, não deve ficar restrita somente a estabelecimentos comerciais. Em casa, atitudes simples como não conectar vários equipamentos em uma única tomada pode evitar a formação de faíscas e chamas. Fazer revisões elétricas e conferir a validade da mangueira do gás encanado são outras medidas que ajudam a deixar a casa mais segura.

Ficar atento com a manutenção do sistema elétrico é importante porque curtos-circuitos são causas frequentes de incêndios domiciliares. Nesse sentido, garantir a presença de bons conduítes nas instalações é fundamental. O modelo de plástico não é certificada pelo Inmetro, porém, não apresenta riscos caso tenha espessura e largura suficientes para não quebrar ou amassar com facilidade quando colocado sob pressão.

Continue lendo…

Bookmark and Share

O desemprego e o descontrole financeiro são as principais causas da inadimplência, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira (29) pela Boa Vista Serviços, administradora do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

De acordo com o levantamento, feito com 1.100 consumidores na cidade de São Paulo durante o 1º trimetsre, o desemprego continua sendo a maior causa da inadimplência, representando 31% dos casos. O descontrole financeiro aparece em segundo lugar, mas caindo de 26% para 24% em relação à pesquisa anterior. Em terceiro lugar está o empréstimo do nome a terceiros (10%).

Segundo a Boa Vista, o desemprego é a causa preponderante nas faixas de renda familiar de até 3 salários mínimos (39%). Entre os consumidores que ganham de 3 e 10 salários mínimos, o principal motivo é o descontrole financeiro (28%), mesma causa declarada entre as faixas acima de 10 salários mínimos (17%).

Mais da metade dos inadimplentes (55%) declaram possuir uma conta em atraso que causou a restrição, 30% declaram possuir entre duas ou três contas e 15% possuem quatro contas ou mais.
Segundo o levantamento, a maioria das dívidas não pagas (34%) está abaixo de R$ 500, mas 15% possuem dívidas abertas acima de R$ 5.000. Outros 36% entre R$ 500 e R$ 2.000 e 16% entre R$ 2.000 e R$ 5.000.

Leia mais…

Bookmark and Share

Não perder tempo no supermercado não requer talento ou habilidade, somente organização. Vejam algumas dicas:


1. Eu tenho uma lista do que comprar

Como nós fazemos o menu semanal e temos uma lista de inventário (lista de tudo o que precisamos ter em casa e em que quantidade para durar um mês inteiro), fica mais fácil fazer uma lista. Semanalmente, verifico o que precisamos comprar e listo em um papel pequeno. Antes eu usava um caderninho, mas é bem chato carregá-lo quando vou ao mercado sem bolsa, por exemplo, com tudo o que preciso nos bolsos da calça. Uma folha de papel resolve bem a situação. Você pode usar papéis já riscados, por exemplo, e assim dar um novo uso antes de reciclá-los. Chegando ao mercado, eu me atenho à lista e não perco tempo olhando o que eu não preciso.

Para facilitar a criação da lista, estabeleça um lugar na cozinha onde você possa anotar tudo o que falta (você e os outros moradores). Eu tenho um bloco de papel que fica grudado com um ímã na lateral do microondas, mas muita gente usa lousinhas, por exemplo, ou deixa um caderninho com uma caneta na despensa.
2. A lista é dividida pelos corredores do mercado

Como já tenho meus mercados preferidos, sei o que fica em cada lugar. Organizo a lista de acordo com os corredores e, quando entro no mercado, dou uma volta completa sem precisar perder tempo indo e vindo. Essa dica eu aprendi com a minha avó.

Você faz assim: divida a folha do papel com colunas feitas a caneta. Não precisa ser perfeccionista aqui – basta dividir de acordo com os corredores. E, nesses espaços, escreva o que precisa comprar em cada um deles. Isso evitará perder tempo passando os olhos pela lista ou lembrar que não comprou requeijão quando já estiver do outro lado do mercado.
3. Eu tento ir sozinha

Nem sempre nós que somos mães conseguimos fazer compras sozinhas. No entanto, se você puder, vá. É muito mais tranquilo e rápido resolver tudo o que precisa. O mesmo vale para qualquer acompanhante. O simples fato de ficar conversando tira o foco e faz você perder mais tempo ainda.

Não estou dizendo que você tem que entrar no mercado como um general alemão de cara fechada e parecendo The Flash, correndo pelos corredores. Mas, se você entrar focada(o) e sem precisar a todo momento parar por qualquer motivo, é claro que você fará tudo mais rápido. Ir sozinha(o) realmente significa fazer compras de forma mais rápida.
4. Eu fujo dos horários de pico

Eu sei que nem sempre isso é possível mas, se puder, evite os horários de maior movimento. Quando eu chego do trabalho, poderia facilmente passar no mercado e comprar alguma coisa (e às vezes eu faço isso). Porém, se puder, eu prefiro muito mais ir para casa e voltar lá bem mais tarde. Aos finais de semana, o melhor horário é quando o supermercado abre, bem cedo. Os que abrem às 8h são os melhores.
5. Eu organizo o carrinho de acordo com os pacotes

Facilite a sua vida na hora de empacotar os produtos organizando no carrinho e na esteira do caixa de acordo com o que precisa passar primeiro. Me dá um nervoso quando coloco as garrafas de água e refrigerante na frente e a moça do caixa passa os ovos primeiro, por exemplo! De qualquer maneira, tente se organizar porque fica muito mais tranquilo colocar dentro das sacolinhas ou dentro de caixas. Isso também ajuda na hora de separar os tipos de produtos e evitar que você guarde o sabão em pó junto com os frios.

Com esses poucos hábitos simples, minhas idas no mercado são bem menos demoradas que se eu não fizesse nada disso.

Fonte: Vida Organizada

Bookmark and Share

Em 2013, o brasileiro irá trabalhar 150 dias, ou quase cinco meses do ano, somente para pagar impostos, taxas e contribuições aos cofres públicos. Ou seja, considerando toda a carga tributária incidente sobre a renda bruta anual, o contribuinte irá trabalhar até o próximo dia 30 só para pagar tributos, segundo estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), divulgado nesta quarta-feira (22).

A quantidade de dias do comprometidos com o pagamento de impostos é a mesma registrada no ano passado. Mas em razão do ano de 2012 ter sido bissexto, o contribuinte cumpriu suas obrigações tributárias com o Fisco um dia mais cedo, no dia 29 de maio.

De acordo com o estudo feito anualmente pelo IBPT, o pagamento dos tributos comprometerá, em média, cerca de 41,82% da renda bruta do trabalhador em 2013. Dependendo da faixa de renda, o percentual e, consequentemente, o número de dias trabalhados para pagar impostos, aumenta.

O presidente-executivo do IBPT, João Eloi Olenike, destaca que esse percentual tem aumentado nos últimos anos. Segundo o IBPT, hoje se trabalha o dobro do que se trabalhava na década de 70 para pagar a tributação. A média de número de dias trabalhados por ano somente para pagar tributos subiu de 76, na década de 70, para 102 na década de 90, e, nos ano de 2000 ultrapassou os quatro meses.

“Em 2012, comprometeu 40,98% do seu ganho para este fim e, em 2011, 40,82%. Apesar de contribuir cada vez mais com a crescente arrecadação tributária do país, que em 2012 chegou a R$ 1,59 trilhão, o brasileiro continua não vendo a adequada aplicação deste recursos em serviços públicos de qualidade, principalmente nos setores de educação, saúde, segurança e outros fundamentais para que a sociedade se desenvolva”, afirma.

O estudo “Dias Trabalhados para pagar Tributos” considera a tributação incidente sobre rendimentos, formada pelo Imposto de Renda Pessoa Física, contribuições previdenciárias e sindicais; e a tributação sobre o consumo de produtos e serviços, como PIS, COFINS, ICMS, IPI, ISS, etc; e a tributação sobre o patrimônio, onde se incluem IPTU, IPVA. As taxas de limpeza pública, coleta de lixo, emissão de documentos e contribuições, como no caso da iluminação pública também são consideradas.

Fonte: G1

Bookmark and Share

Motoristas habituados a parar na orla de Charitas e São Francisco, em Niterói, foram surpreendidos, esta semana, com a instalação de placas indicando o início da cobrança pelo estacionamento rotativo nas ruas do bairro. Nesta terça-feira, funcionários da empresa responsável pelo serviço entregavam panfletos explicando que a novidade vai “ajudar a acabar com a prática ilegal dos flanelinhas”.

Os usuários do espaço, principalmente aqueles que deixam seus veículos durante todo o dia nas proximidades da estação das Barcas em Charitas, não gostaram nada da mudança. A partir de quinta-feira, serão cobrados R$ 3 a cada duas horas de estacionamento, com a possibilidade de se comprar um tíquete válido por 13 horas ao preço de R$ 19,50.

A concessionária Niterói Rotativo contratou 98 agentes para assumirem o comando de 1.050 vagas de estacionamento nos dois bairros. Atualmente, a empresa já detém o controle de 2.520 vagas no Centro de Niterói e em Icaraí. O cronograma prevê a expansão do serviço ainda para Jardim Icaraí, a partir de agosto, Ingá, em novembro, e São Domingos, em dezembro.

A concessão à Niterói Rotativo foi feita em 1999 pelo prazo de 40 anos. O aditivo para a exploração das novas vagas foi assinado em 27 de novembro de 2012. No panfleto entregue aos motoristas é explicado ainda que “este sistema é utilizado nas principais cidades do mundo, o que permite a organização do espaço urbano, melhor ordenamento das vias de tráfego e também a racionalização do uso das vagas”.

Em São Francisco, o sistema irá funcionar de domingo a terça-feira, das 10h às 23h, e de quarta a sábado, das 10h às 2h. Já em Charitas o estacionamento rotativo será de segunda a sexta-feira, das 6h às 19h. Para Dave Macknight, que aluga canoas na orla de Charitas, a cobrança na região é desnecessária e atrapalhará o comércio na região. Ele diz que não há a atuação de flanelinhas na área, nem costumam ocorrer furtos aos veículos.

Continue lendo…

Bookmark and Share

O cartão de crédito tem se tornado a cada dia um meio mais popular de pagamento entre os brasileiros. E com o aumento das compras, aumenta também a quantidade de golpes envolvendo Cartões de Crédito. Por isso é importante estar atento! Fique ligado em 7 dicas importantes sobre como se comportar caso você seja vítima de um desses golpes:

  • Caso detecte, na fatura, a presença de compras não realizadas, avise a administradora. O cartão deve ser cancelado e substituído.
  • Informe quais são os débitos não reconhecidos e peça a suspensão da cobrança desses valores. A empresa pode emitir uma nova fatura.
  • Anote o número de protocolo do atendimento feito pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC). Por lei, as empresas têm até 5 dias para solucionar problemas relatados nos SACs.
  • Caso o consumidor só perceba o problema depois que pagou a fatura ou a administradora insista na cobrança indevida sem seu consentimento, os valores pagos a mais devem ser devolvidos em dobro.
  • Caso a fatura seja paga no débito automático e, por causa do valor em excesso, o consumidor pague juros pelo uso de cheque especial, a empresa também deve devolver esse valor em dobro.
  • Mesmo quem não paga os seguros oferecidos pelas administradoras de cartão de crédito tem seus direitos assegurados.
  •  Em caso de compra parcelada, é interessante registrar um Boletim de Ocorrência e comunicar órgãos de proteção ao crédito, como SCPC e Serasa.
Fonte: Uol
Bookmark and Share

Os contribuintes que entregaram a Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física de 2013 já podem checar, pela internet, o andamento de sua declaração. A consulta deve ser feita no portal e-CAC (Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte).

É possível verificar, por exemplo, se a declaração tem pendências que pode levá-la à malha fina. Nesse caso, é possível resolver os problemas antes que isso aconteça, enviando uma declaração retificadora. Quanto mais cedo a correção for feita, mais rapidamente a restituição deve ser liberada.

Além disso, o contribuinte que tem imposto a pagar pode conferir, no site, se as quotas do IR estão sendo quitadas corretamente. Pode também pedir, alterar ou cancelar o pagamento das quotas por débito automático; ou identificar e parcelar eventuais débitos em atraso, dentre outros serviços.

Andamento da declaração

O site da Receita classifica a situação da declaração de diversas formas (“em processamento”, “processada”, “em análise” etc.). Veja abaixo o significado desses e de outros termos usados pela Receita:

Em processamento: esse status indica que a declaração foi recebida, encontra-se na base de dados da Receita Federal, mas o processamento não foi concluído. Caso o contribuinte esteja aguardando por uma restituição, terá que esperar até o próximo lote. Se houver alguma pendência, será informada;

Processada: indica que a declaração foi recebida e o processamento encerrado com sucesso;

Em análise: indica que a declaração entregue foi processada e segue em análise por duas razões: a Receita Federal está aguardando o contribuinte apresentar documentos solicitados via intimação ou o processo de análise de documentos entregues pelo contribuinte ainda não foi concluído;

Retificada: indica que a declaração original foi substituída integralmente por uma declaração retificadora apresentada pelo contribuinte;

Cancelada: indica que a declaração foi cancelada por interesse da administração tributária ou pelo próprio contribuinte. Dessa forma, ela deixa de ter seus efeitos legais;

Tratamento manual: o formulário está em análise pela Receita e o contribuinte deve aguardar contato.

Como acessar os serviços da Receita pela internet

Para acompanhar o andamento da declaração e usar os serviços mencionados, basta acessar o Centro Virtual de Atendimento da Receita (e-CAC) e informar seu CPF, código de acesso e senha.

O código de acesso é gerado no próprio site. É preciso ter em mãos o número do CPF e os recibos de entrega da declaração dos dois últimos anos. Com essas informações, é possível acessar o sistema e consultar o extrato detalhado.

Veja a seguir os principais serviços que podem ser consultados no site:

  • Dia e hora de entrega da declaração;
  • Modelo escolhido (completo ou simplificado);
  • Valor do imposto a restituir;
  • Valor das quotas a pagar e o status dos pagamentos;
  • Inclusão, alteração ou cancelamento de débito automático das quotas;
  • Identificação ou parcelamento de eventuais débitos em atraso;
  • Identificação de possíveis pendências que deixaram a declaração em malha fina e saber como resolvê-las, normalmente por meio de retificação da declaração ou de comparecimento à Receita Federal para apresentação de documentação comprobatória.

Caiu na malha fina? Veja o que fazer

Há basicamente duas situações para resolver as pendências de sua declaração de IR, caso você seja pego na malha fina.

1) Erro na declaração ou informações incompletas:

Se a declaração apresenta informações incorretas ou incompletas, o contribuinte deve, o quanto antes, providenciar a retificação do documento, enviando um novo formulário com os dados corrigidos. É possível seguir este procedimento utilizando a retificação online ou utilizando o próprio programa da declaração.

Mas é preciso ficar atento, pois não é possível retificar a declaração após início de procedimento de ofício. Portanto, quanto antes providenciar as correções, melhor.

2) Documento gerou dúvida, mas não há erro

Por outro lado, se a declaração foi retida na malha fina, mas o contribuinte está com tudo em dia e o documento foi preenchido corretamente, basta aguardar o Termo de Intimação ou a Notificação de Lançamento da Receita Federal, ou agendar atendimento para a entrega da documentação comprobatória das informações declaradas.

Vale lembrar que, para as declarações do IR 2013, só é possível agendar atendimento a partir de janeiro de 2014.

Fonte: UOL

Bookmark and Share

Começa na sexta-feira (17), às 10h, o 9º Feirão da Caixa da Casa Própria no Rio de Janeiro, oferecendo 31.820 imóveis novos e usados. São esperados mais de 60 mil pessoas no evento, que acontecerá no Riocentro, na Zona Oeste do Rio. E para quem for com intenção de fechar negócio, a primeira parcela será apenas em janeiro de 2014.

Para esta edição, os visitantes poderão conferir ofertas de 45 construtoras e 42 imobiliárias. Além disso 360 funcionários da Caixa estarão atendendo o público, fazendo a simulação e a contratação do financiamento. Os imóveis oferecidos têm preço entre R$ 85 mil e R$ 1,9 milhão, com valor médio de R$ 270 mil.

Dentre as ofertas, estão 10.800 imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida, de preços variando entre R$ 85 mil e R$ 190 mil para clientes com renda até R$ 5.400, que terão direito aos subsídios do programa. Para os demais imóveis, não há limitação de renda.

Os imóveis que serão oferecidos no feirão são do Rio, de cidades da Região Metropolitana como Itaguaí, Niterói, São Gonçalo, Maricá; da Região Serrana, como Petrópolis; e da Baixada Fluminese como Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Belford Roxo e Nilópolis.

A expectativa é fechar cerca de oito mil negócios, somando R$ 1 bilhão ou pouco mais que isso. No feirão de 2012, 67 mil pessoas visitram os estandes no Riocentro e entre os contratos fechados e encaminhados, foram 8.735 , num valor de R$ 1,3 bilhão.

Fonte: G1

Bookmark and Share

O casal que espera a chegada de um filho pode não saber que, nos próximos 21 anos, terá de desembolsar entre R$ 200 mil e R$ 1 milhão, dependendo de sua condição econômica e disposição para investir no futuro herdeiro. O cálculo, feito pelo professor da ESPM e presidente do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing (Invent), Adriano Maluf Amui, leva em conta gastos básicos com alimentação, educação, saúde e lazer.

Na hora de fazer as contas, é preciso levar em consideração as despesas essenciais, os gastos dispensáveis e, no longo prazo, a necessidade de uma poupança. Para o educador financeiro e presidente da consultoria DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, o ideal é que o custo do filho não ultrapasse 30% da renda média líquida do casal. Do contrário, o padrão de vida pode mudar drasticamente.

Com planejamento, especialistas mostram que é possível fazer um cálculo aproximado das despesas com o filho em cada fase da vida, da gestação à vida adulta. Entram na conta, ainda, os gastos não previstos, como festas de aniversário e passeios. E, se o orçamento apertar, há duas alternativas: fazer dívidas ou rever prioridades com o supérfluo.

DA GESTAÇÃO AOS CINCO ANOS DE IDADE

Confirmada a gravidez, surgem os primeiros gastos. “O casal começa a pensar na decoração do quarto e na compra de roupas, fraldas e itens de higiene”, enumera Domingos, da DSOP. O chá de bebê é a primeira chance para economizar. Os presentes devem ser calculados conforme a quantidade necessária.

Exames de pré-natal costumam ir além do ultrassom. Mesmo que o casal já pague plano de saúde, os hospitais oferecem serviços adicionais, como coleta de sangue do cordão umbilical e exame de audição do bebê, como aponta Amui, da Invent. “Um DVD para entreter os pais, com o ultrassom em 3D do feto, pode custar até R$ 450”.

Mas é quando a criança nasce que as despesas pode ir além do planejado. “Os pais nunca se lembram da festa de aniversário, que pode ter bufê e palhaço, e das festas de amiguinhos, que demandam a compra de presentes”, lembra o presidente da DSOP. Ele orienta que tais gastos podem ser compensados com uma reserva financeira. Se as despesas imprevistas não couberem no bolso, o melhor é optar por alternativas mais baratas, como fazer a festa em casa.

Para o presidente do Invent, brinquedos não precisam ser caros. “O importante é que sejam estimulantes”. Outra forma de economizar, segundo ele, é com as vacinas, que são encontradas na rede pública com facilidade. Comprar muitas roupas, para o profissional, é desnecessário, porque o bebê cresce rápido e elas são descartáveis. Da mesma forma, há gastos importantes e, quase sempre, esquecidos. “Itens de segurança, como telas de proteção para janela, protetores de tomada e travas de gaveta devem entrar na conta”, completa.

Gastos essenciais : Berço, fraldas, roupas, carrinho, exames pré-natal, obstetra, pediatra, remédios, vacinas, mobília do quarto, itens de segurança na casa.

Gastos opcionais : festa em bufê, decoração, babá eletrônica, coleta de sangue do cordão umbilical, presentes de aniversário, brinquedos.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Fazer alguma coisa é melhor do que não fazer nada – esse deve ser o seu lema nos dias mais difíceis, quando é praticamente impossível encontrar tempo para manter a casa minimamente limpa. Se você estiver se sentindo assim, veja 6 tarefas que você pode fazer para manter as coisas em ordem.

1. Lave a louça

Se sua casa estiver um caos e você tivesse que escolher somente uma tarefa para executar, eu recomendaria a você que lavasse a louça. Por quê? Porque a pia cheia de louça suja nos deixa desanimados. Não sei exatamente o motivo, mas começar por ali dá uma sensação de que tudo está começando a entrar nos eixos novamente. Portanto, se estiver desanimado(a) com a sujeira na sua casa, lave a louça e limpe a pia. Você verá a diferença.

2. Comece a se livrar da tralha

Eu sei que sempre falo sobre isso por aqui, mas é porque dá certo. Quando temos tralha em casa, a tendência é que faltem lugares para guardar as coisas que realmente importam. Você acha que não tem tralha ou que esse não é um problema? Pegue um saco plástico hoje e percorra sua casa jogando dentro tudo o que for lixo. Você vai se surpreender com a quantidade e ainda é capaz de ter que pegar mais de um saquinho para continuar o trabalho.

3. Considere viver de forma minimalista

Não totalmente minimalista, se não for seu estilo, mas ao menos inspirada(o) nisso. Ser minimalista significa fazer e ter somente o que for extremamente necessário ou que você realmente ame em sua vida. Verifique se você não está fazendo coisas desnecessárias demais. Não há qualquer problema nisso – o problema reside quando você não consegue fazer o que é necessário porque está focando nos supérfluos.

4. Limpe aos poucos diariamente

Em vez de limpar a casa inteira uma vez por semana, distribua as tarefas ao longo dos dias. Não é para ficar cansado(a), mas para não perder um dia inteiro nessa função. Além do mais, se você tiver um imprevisto e não conseguir limpar a casa no dia pré-estabelecido, como ficará? Portanto, tente fazer esse teste para ver se funciona para você.

5. Faça listas de limpeza diária, semanal etc.

6. Esvazie as lixeiras

Essa é outra tarefa que traz alívio imediato na limpeza da casa! Esvazie todas as lixeiras: cozinha, banheiros, escritório e onde mais elas estiverem.

Se você se organizar para limpar a casa todos os dias um pouquinho, ela nunca chegará ao caos novamente. No entanto, se chegar, você já sabe por onde recomeçar!

Fonte: Vida Organizada

Bookmark and Share