Você não precisa gastar horrores para ser uma pessoa organizada. O ideal é aproveitar o que você já tem, encontrando soluções práticas. De qualquer forma, existem algumas ferramentas que podem te ajudar no dia-a-dia sem que você gaste muito, e são elas:

caderninho

  1. Caderninho para anotações. Para anotar desde coisas para fazer até ideias que não gostaria de perder. A Tilibra tem modelos ótimos abaixo de $10.
  2. Divisores de gaveta. São vendidos em lojas de $1,99 e nas revistinhas da Avon, mas você também pode fazer os seus com papelão e tesoura ou usando caixinhas de chá. As possibilidades são infinitas e você ainda recicla seu material.
  3. Agenda para toda a família. Você não consegue ser organizado(a) se não tiver uma agenda. Se tiver mais de um membro na sua casa (sua esposa ou esposo, seus filhos), você certamente irá se perder se não tiver os compromissos de todo mundo anotados. Com menos de $20, você compra uma agenda ok. Se não quiser gastar nada, pode usar a agenda do Google, que ainda separa por categorias e envia lembretes para o celular.
  4. Etiquetas. Coisas rotuladas ficam muito mais bonitas e organizadas. Você pode saber hoje o que colocou naquela pasta que vai em cima do armário, mas lembrará com tanta facilidade daqui a alguns meses? Você não precisa ter uma rotuladora para isso (apesar de facilitar bastante), nem comprar etiquetas auto-adesivas (apesar de serem baratas) – basta imprimir ou escrever à mão e colar. Isso inclusive vai fazer com que você aproveite restos de papel.
  5. Saquinhos. Não importa se de plástico ou de pano, eles sempre são úteis. Você pode guardar coisas separadas por categorias dentro da sua bolsa, por exemplo, ou organizar material de escritório.
  6. Caixas organizadoras. Sempre precisamos armazenar coisas, por menos que a gente as tenha, e não inventaram nada melhor que as caixas para fazermos isso. Use caixas de embalagens (eu uso muito as caixas de fraldas atualmente) encapando-as com um papel de presente bacana. Não precisa comprar.
  7. Ganchos de parede. Eu sou uma pessoa que não imagina o mundo sem esses ganchos em cada cômodo. Para toalhas no banheiro, casacos na sala e pijamas no quarto, considero uma das principais ferramentas de organização. Podem ser encontrados em lojas de $1,99 também e em muitas outras, sempre baratos.
  8. Arames. Sabe aquele infame araminho que vem no saco do pão? Saiba que você pode usá-lo para organizar fios, por exemplo.
  9. Prateleiras. Não importa se de madeira ou de aramado, as prateleiras vão dentro e fora dos armários, aumentando os espaços e proporcionando uma organização muito maior.
  10. Pastas. Por mais que você diminua a quantidade de papel, eles estão sempre indo e vindo e não conseguimos evitar. Apenas mantenha tudo organizado com pastas, que são baratas e podem ser encontradas por cerca de $3 cada.

Fonte: Vida Organizada

Bookmark and Share

Quando você tem pode fazer a escolha é uma oportunidade importante para fixar a moradia em lugar que traga benefícios a você e sua família. Naturalmente que cada pessoa tem uma necessidade, mas de maneira geral algumas dicas podem ser úteis para quem precisa escolher o bairro. Vamos a elas:

Aerial view of suburb in Bay City, Texas.

Bairros antigos versus novos

Os antigos têm suas particularidades como o estilo de construções e provavelmente os moradores que tende a ser pessoas mais tradicionais na cidade, geralmente mais idosos e consequentemente um bairro mais calmo. Os novos, como muitas exceções atraem as novas famílias e costumeiramente podem ser mais agitados.

Residencial versus comercial

Alguns são estritamente residenciais com a incidência de poucos comércios, enquanto que outros são opostos. Morar em área muito comercial é complicado pela movimentação, fala de vagas para estacionar, entre outros, mas o oposto também não é bom. Eu morei em um bairro onde não havia praticamente comércio nenhum e tudo que precisava tinha de pegar o carro e dar um passeio. Essa falta de comércios essenciais como farmácias, açougue, supermercados e outros incomoda um pouco.

Trânsito

Mas acredito que um dos itens mais importante é o trânsito e a influência que este terá no seu cotidiano. Nesse caso analise quais seriam os seus trajetos para o trabalho, escola das crianças e outras atividades que envolverão movimentação. Eu por exemplo vendi uma casa onde morava motivado pelo trânsito e o trajeto que eu tinha de fazer diariamente. No meu caso envolvia uma avenida muito perigosa onde normalmente as pessoas trafegavam em alta velocidade e um anel viário que tinham que obrigatoriamente ser cruzado. A mudança trouxe mais qualidade de vida e menos exposição a um perigo eminente.

Perfil do bairro

Qual o tipo de morador ele tem? É possível determinar ou perceber? Isto e importante, afinal, gostando ou não serão pessoas que de alguma forma nos relacionaremos com eles. Há muitos perfis de pessoas como os baderneiros, os reservados, os hospitaleiros, os encrenqueiros, etc.

Fonte: Casa Dicas

Bookmark and Share

O título é auto-explicativo, mas apesar de ser óbvio, a grande maioria das pessoas continua acumulando jornais e revistas em casa para uma possível leitura um dia, quem sabe. Fora os jornais acumulados por semanas e semanas, esperando a sua boa vontade de levá-los para algum centro de reciclagem.

jornais velhos

Basta djá! Livre-se de tanta inutilidade junta!

Pegue sua pilha de revistas (ok, se tiver muitas, mas muitas mesmo, faça um pouco de cada vez) e folheie uma por uma com uma tesoura na mão. Recorte os artigos:

  • úteis
  • interessantes
  • que você ainda quer ler

Jogue o resto fora (aposto como ficará impressionado/a com a quantidade absurda de papel inútil que estava em sua vida). Se quiser separar para reciclagem, ótimo, mas anote em sua agenda imediatamente quando fará isso. Deixe as revistas dentro de uma caixa ou sacola grande, junto com o resto do lixo, para dar um fim nelas o mais rápido possível.

Agora você precisará dar um jeito nos artigos separados por você. Para os outros, você precisará de uma pasta ou fichário para guardá-los. O ideal é ter um fichário, furar as folhas e colocá-las dentro, separadas por categoria de assuntos, mas uma pasta com plásticos também serve. Vale lembrar que essa pasta/fichário deve ser revisada ano a ano (ou de seis em seis meses, dependendo do volume de informações guardadas), quando você deve tirar o que não presta mais.

E quanto aos jornais? Jogue tudo fora, sem dó. As notícias de ontem já não valem mais nada hoje. E habitue-se a ler os jornais na Internet, para evitar um novo acúmulo de papel em sua casa.

Fonte: Vida Organizada

Bookmark and Share

Confira quais são os itens indispensáveis para montar uma caixa de ferramentas funcional e que vai atender aos pequenos reparos que a sua casa necessita no dia a dia.

caixa_ferramentas

Você vai precisar de:

– Uma caixa ou maleta que acondicione as ferramentas e peças

– Martelo
– Chaves de fenda (de vários tamanhos)
– Chave Phillips
– Chave inglesa
– Chave de cano
– Lima
– Alicate (de corte, ponta fina, de pressão)
– Trena
– Furadeira e brocas (de vários tamanhos e tipos, concreto, madeira, metal e outros)
– Extensão elétrica(pois nem sempre onde precisa de reparo tem um tomada próxima)
– Estilete
– Régua
– Lápis
– Fita isolante
– Fita veda rosca
– Pregos, parafusos, porcas, buchas
– Canaletas para fios
– Carretilhas de varal de teto
– Fios
– Tomadas
– Benjamins ou “Ts” (de preferência, aqueles com três furos)
– Fios para organizar/ amarrar os fios
– Lâmpadas sobressalentes
– Silicone em bisnaga
– WD40
– Grafite em pó
– Cola de madeira
– Cola de contato(Superbonder)
– Cola de resina plástica(Durepoxi)
– Óculos de proteção
– Luvas

Esse pequeno arsenal “cobre” eventuais emergências, essas ferramentas e peças sobressalentes são apenas o começo, você pode incrementar sua caixa de ferramentas com o passar do tempo de acordo com a melhora de suas habilidades.

Fonte: Consertos domésticos

Bookmark and Share

Termina na próxima quarta-feira, dia 30, o prazo para entrega das declarações de Imposto de Renda em 2014.

IRPF

Estão obrigadas a apresentar o documento as pessoas físicas que receberam em 2013 rendimentos tributáveis superiores a R$ 25.661,70 ou tiveram rendimentos não tributáveis acima de R$ 40 mil. Também precisam entregar a declaração os contribuintes que tinham bens com valores superiores a R$ 300 mil em 31 de dezembro de 2013. Para quem optar pela declaração completa, será possível deduzir até R$ 2.063,64 por dependente e R$ 3.230,46 em gastos com educação;

Confira a seguir os erros mais comuns cometidos no IR:

1. Na ficha de rendimentos tributáveis, informar valores diferentes dos publicados nos informes de rendimento para rendimento tributável, imposto retido na fonte, entre outros.

2. Digitar valores de rendimentos tributados exclusivamente na fonte na ficha destinada aos rendimentos tributados. Outro erro comum é não preencher a ficha de ganhos de capital quando houve venda de bens.

3. Não preencher a ficha de ganhos de renda variável se o contribuinte operou em bolsa de valores

4. Não informar nas fichas de rendimentos tributáveis, não tributáveis e exclusivos na fonte de dependentes de sua declaração

5. Não relacionar nas fichas de bens e direitos, dívidas e ônus, ganho de capital, renda variável valores referente a dependentes de sua declaração

6. Não relacionar valores de aluguéis recebidos de pessoa física na ficha de recebimento de pessoa física.

 

Fonte: Zero Hora

Bookmark and Share

Organizando o processo de lavagem de roupas, você aumenta a vida útil da sua lavadora, economizaenergia e ainda garante um melhor resultado na limpeza e conservação das peças.

Carregando a máquina:

• O excesso de peças colocadas na máquina de lavar aumenta o atrito entre elas, ocasionandodesbotamento e desgaste do tecido. Recomendamos não utilizar a capacidade total da máquina delavar.
• Não colocar as peças dobradas na máquina de lavar. Os locais das dobras sofrem maior atrito,aumentando o desgaste do tecido e o desdobramento nestas áreas.
• Separar a roupa a ser lavada pela tonalidade e intensidade das cores das peças. Este cuidado evitamanchas e mantém as cores mais brilhantes e bonitas.
• Não lavar os artigos de tecido algodão/poliéster com artigos de tecido 100% algodão. O atrito entreestes tecidos provoca a formação de bolinhas (pilling). Em caso de bolinhas, existem escovas tira-bolinhas, própria para a situação.
• Lavar cortinas separadamente de outros artigos, retire os puxadores antes de lavar.

Para lavar roupas delicadas, utilize redes protetoras. Coloque as roupas dentro da rede antes de colocá-las na máquina.

Ao lavar tênis, não o misture com as roupas. E para protegê-los, use capas para lavagem de tênis.

Na hora de lavar:

• Lavar em temperatura de no máximo 60ºC. Quanto menor a temperatura, maior a durabilidade do produto.
• Não usar excesso de sabão em pó e amaciante. O excesso destes produtos pode provocarmanchas, desbotamento e perda do poder de absorção das toalhas.
• Não usar produtos que contenham cloro (por ex: água sanitária) pois estes produtos causam a destruição dos corantes – manchas brancas; enfraquecimento do tecido – apodrecimento da fibra dealgodão; destruição dos branqueadores – causando amarelamento.
• Ao usar qualquer produto de limpeza, além do sabão e amaciante, testar a resistência das cores em uma pequena área, antes de aplicar o produto sobre o tecido (por ex: pré-lavagem).
• Lavar as peças de cores escuras ou com combinação de cores contrastantes com água em abundância, para garantir a eliminação do excesso de corantes que se desprendem normalmente nas primeiras lavagens.
• Não deixar os artigos de molho por tempo prolongado, para evitar a perda do brilho das cores.
• Para as peças com cores contrastantes, recomendamos acrescentar sal no último enxágüe e se extrair o máximo de água após a lavagem. Isto evita a migração da cor mais escura para a mais clara enquanto as peças estão no varal.
• Se os artigos lavados apresentarem manchas devido a migração de cores, lave-os com água morna em abundância, seguido de um enxágüe a frio, com sal.
• Ao lavar no tanque, evite usar escovas ou qualquer material que possa desgastar o tecido ou provocar o desbotamento das cores.

Colocando para secar:

• Colocar para secar imediatamente após a lavagem. A permanência das peças úmidas pode causarmanchas e, além disso, pode provocar vincos difíceis de eliminar em artigos de algodão/poliéster.
• Secar as peças abertas no varal à sombra. As peças secas em secadoras de tambor encolhem muito mais que em varal. O sol ataca o corante, provocando desbotamento das cores em meio úmido.
• Quando utilizar a secadora, os artigos de algodão/poliéster devem ser secos em temperatura morna, separados dos artigos 100% algodão.

Na hora de passar:

• Usar o ferro na temperatura máxima de 110ºC. O excesso de temperatura causa o brilho das cores e destruição da fibra. A utilização de telas para passar evitam manchas de brilho por excesso de calor em roupas delicadas.

• Colchas e Edredons

• Evite lavar e secar edredons e colchas de matelassê em máquinas domésticas. Estes artigos são muito volumosos e o atrito com as paredes e o agitador das máquinas provoca desgaste do tecido edesbotamento das cores localizadas. Além disso, a manta que recheia estes artigos sempre perde volume após ser lavada e secada.
• Nunca passe edredons e colchas de matelassê. O calor e o peso do ferro diminuem o volume damanta.
• Artigos produzidos com algodão tendem a encolher e desprender penugem após as primeiras lavagens, características naturais da fibra de algodão.

Toalhas

As toalhas de banho são confeccionadas com tecido felpudo, o que garante absorção e um toque agradável à toalha. Mas é preciso ter alguns cuidados com as felpas, pois elas funcionam como alças que facilmente ficam presas em locais com pontas irregulares, contribuindo para puxar os fios.

• Toalhas ficarão mais limpas se colocar na água de enxágüe uma colher de bicarbonato.
• Ao manusear esses artigos evite usar relógios, pulseiras, anéis ou qualquer adereço que possa danificar o produto.
• Caso a felpa seja puxada, você pode cortá-la rente ao tecido, pois não irá danificar o produto.
• Quando colocar sua toalha dentro da máquina ou misturá-la com outras roupas, observe se não tem objetos duros ou saliências capazes de puxar os fios.
• Não exagere no amaciante, pois em excesso, ele reduz a capacidade de absorção da toalha.
• É comum as toalhas novas soltarem tinta. Por isso, na primeira lavagem, não as misture com peçasde outras cores.
• Como a estrutura das felpas é compacta e volumosa é muito difícil retirar grandes manchas datoalha. Mas para as manchas pequenas experimente solventes à base de petróleo, como a benzina.
• Quando úmidas, mantenha as toalhas bem abertas para evitar a proliferação de fungos e bactérias, causadores de manchas difíceis de limpar. Não as amontoe no cesto de roupa suja.
• Produtos à base de cloro prejudicam a cor da toalha e não devem ser usados, nem mesmo em toalhas de cor branca, pois esta cor também desbota.
• A alta temperatura da água ou da secadora (acima de 60ºC) prejudica as felpas da toalha. A exposição prolongada ao sol tem o mesmo efeito.
• Não passar toalhas de banho com ferro a vapor para evitar que elas fiquem ásperas.

Sedas

• Não podem sujar-se em demasia, senão seus filamentos se rompem.
• Alguns artigos de seda podem ser lavados com água e sabão, outros só a seco.
• Para saber se a peça vai desbotar numa lavagem tradicional, faça o seguinte teste: umedeça uma pequena ponta do artigo em água fria e coloque essa ponta em um tecido branco.
• Passe com ferro elétrico morno e, se o tecido branco não apresentar resíduo de cor da seda, vá em frente e use apenas água morna, com sabão ou detergente neutro.
• Não use máquina de lavar ou secar para este tecido.
• Após a lavagem, enxágüe bem, envolva a peça numa toalha de banho para retirar o excesso de água e facilitar a secagem, que deve ser à sombra. Passe a ferro pelo lado do avesso, enquanto o pano estiver levemente úmido.
• Nunca friccione um tecido de seda para retirar manchas.
• Só para lembrar: não ferva, não deixe de molho e não use alvejante ou água de lavadeira.
·  Shantung, tafetá, chiffon, brocado, georgette e organza, assim como tecidos de seda, devem serobrigatoriamente lavados a seco.
• Ao costurar um tecido de seda use alfinetes e agulhas bastante finos – os normais podem deixar furos nos tecidos. Para costurar use linhas de seda.

Decifrando a etiqueta

O cuidado com suas roupas de cama, mesa e banho são importantes para que elas fiquem bonitaspor muito mais tempo. Para isso, respeite as instruções que estão na etiqueta do produto.

http://www.organizesuavida.com.br/Upload/Conteudo/lavagem_roupa01.jpg Pode ser lavado na máquina.
O número indica a temperatura máxima da água durante a lavagem. Neste exemplo a temperatura máxima indicada é 60ºC.
http://www.organizesuavida.com.br/Upload/Conteudo/lavagem_roupa02.jpg Alvejantes (Cloro ou Água Sanitária)
Proibido o uso de alvejante.
http://www.organizesuavida.com.br/Upload/Conteudo/lavagem_roupa03.jpg Secagem
Secar verticalmente no varal. É recomendável que roupas coloridas sejam secadas à sombra
http://www.organizesuavida.com.br/Upload/Conteudo/lavagem_roupa04.jpg Passar a Ferro
Fique atenta sobre o número de pontos que está dentro do ferro. Ele indica a temperatura máxima para passar. Neste caso a temperatura é média (no máximo 160º).
http://www.organizesuavida.com.br/Upload/Conteudo/lavagem_roupa05.jpg Lavagem a Seco
Não lavar a seco.

Quando o símbolo está cruzado com um “X”, significa que o processo do símbolo não pode seraplicado ao produto.
Artigos de algodão/poliéster devem ser secados e passados em temperaturas mais baixas.

Fonte: OZ!

Bookmark and Share

Sabe aquele apê moderninho que a gente monta quando nos casamos, cheio de bossa, com coisas novinhas, branquinhas e preparadas para receber amigos e fazer altas noitadas regadas à boas risadas e bom vinho ?  Então .. se você está grávida, ele vai ter que mudar !!  Cada casa oferece um “tipo de risco” para a criança, alguns mais e outros menos, mas certamente você precisará adquirir alguns “acessórios” que não necessariamente combinam com a decoração, mas que serão de enorme utilidade na hora que seu herdeiro começar a engatinhar por aí.

rede-seguranca

Então, antes de falar na segurança que você precisará ter em casa, vamos falar dos acidentes domésticos mais comuns, assim ficará mais fácil você perceber utilidade nos itens que vou mencionar na sequência.
Você sabia que a maioria das crianças que chegam acidentadas nos hospitais, foram vítimas de algum acidente doméstico ?    Sabia que até os 08 anos de idade as crianças fantasiam que são super-heróis e tem a ideia de que são imunes à tudo ?  Você sabia que até os 14 anos uma criança ainda é capaz de se intoxicar ?
Vamos aos acidentes mais comuns :
Fonte: bebe.abril.com.br
Em bebês de até 1 ano, as lesões acontecem por: queda (do berço, do trocador, do carrinho), asfixia (cobertores ou por aspirar alguma peça pequena de brinquedo) e queimadura (água do banho ou quando a mãe está tomando café quente com a criança no colo, por exemplo, e derruba a bebida).
Com crianças de 2 a 4 anos, o acidente mais comum é a queda. Elas engatinham ou andam e, por isso, escadas passam a ser um grande risco. Outra lesão que poderia ser evitada são os tombos do carrinho de supermercado. Os pais deixam a criança sentada no carrinho, se viram para pegar alguma coisa que tenha faltado e, pronto, já foi tempo suficiente para o pequeno ficar em pé e cair. Normalmente, é uma queda bem feia porque é alta e o chão do supermercado é bem duro. Já tivemos caso de traumatismo craniano no pronto-socorro por causa de quedas assim”, alerta a pediatra Márcia Sanae Kodaira, coordenadora médica da unidade de emergência e internação do Hospital Santa Catarina, de São Paulo.”
Acidentes mais comuns por faixa etária:
  • 0 a 1 ano: quedas (trocador, cama, colo), asfixia, sufocação, aspiração de corpos estranhos, intoxicações, queimaduras (água quente, cigarro).
  • 2 a 4 anos: quedas, asfixia, sufocação, afogamentos, intoxicações, choques elétricos, traumas.
  • 5 a 9 anos: quedas, atropelamentos, queimaduras, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumas.
  • 10 a 19 anos: quedas, atropelamentos, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumas.

Continue lendo…

Bookmark and Share

1 - Colocar números errados na declaração, como colocar um zero a mais, o que pode fazer a diferença entre R$ 1.000,00 e R$ 10.000,00. Além disso, no preenchimento, dependendo do teclado, o ponto é vírgula e vice-versa, o que leva o contribuinte a informar valores diferentes. O programa da declaração de imposto de renda não reconhece o ponto para separar os centavos. Deve ser utilizada a vírgula.

IRPF 2014

2 - Atualizar o valor dos bens (como automóveis ou imóveis) a preço de mercado, quando o correto é que os bens sejam declarados pelo custo de aquisição – o valor só deve ser alterado em caso de benfeitorias, reformas, etc, que acresçam valor ao bem.

3 - Não declarar rendimentos de dependentes. Todos os rendimentos (independentemente do valor) e bens da pessoa declarada como dependente devem ser declarados.

4 – Utilizar valores de despesas médicas sem comprovantes emitidos, inserir intervenções estéticas que não podem ser abatidas ou informar rendimentos isentos referentes à doença grave sem laudo médico que a comprove;

5 - Deixar de informar a parcela da aposentadoria e pensão que supere o limite isento.Os contribuintes que recebem benefícios de mais de uma fonte pagadora devem declarar na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis apenas a parcela isenta anualmente fixada em lei. O valor excedente ao limite legal deve ser destacado e declarado como rendimento tributável.

6 - Esquecer de declarar rendimentos de todas as fontes pagadoras. Ainda que o contribuinte receba rendimentos tributáveis em caráter eventual, como aluguéis de imóveis, todos os rendimentos durante o ano devem ser declarados.

7 - Informar no campo de pagamentos contribuições à previdência privada na modalidade Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), em vez das da modalidade Programa Gerador de Benefício Livre (PGBL) – única que permite a dedução das contribuições, no limite máximo de 12% da renda bruta anual.

8 – Declarar o valor total do bem adquirido por meio de financiamento na ficha de bens e direitos e o valor a ser pago na ficha de dívida e ônus, em vez de lançar na ficha de bens e direitos o valor das parcelas pagas (Correção: ao ser publicada, a reportagem informava que o erro era lançar na ficha de bens e direitos o valor das parcelas pagas. A informação foi corrigida às 20h39).

9 - Informar os alimentados como dependentes. Alimentandos são filhos de pais divorciados, separados judicialmente ou por escritura pública que recebem pensão alimentícia. O alimentando não pode ser considerado dependente na declaração do alimentante.

10 - Informar quaisquer doações como dedutíveis, em vez das que realmente podem ser deduzidas. É possível reduzir o imposto de renda devido apenas valores destinados a fundos controlados pelos conselhos municipais, estaduais, distrital e nacional dos direitos da criança e do adolescente; fundos nacional, estaduais ou municipais do idoso; incentivo à cultura (mediante doações ou patrocínios a projetos aprovados pelo Ministério da Cultura ou pela Agência Nacional do Cinema); projetos desportivos e paradesportivos previamente aprovados pelo Ministério do Esporte; e incentivo ao Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas-PCD) ou ao Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon).

Fonte: G1

Bookmark and Share

De repente a temperatura caiu 15 graus e você se esqueceu de colocar as roupas de frio para lavar. O jeito é usá-las com aquele cheirinho desagradável de guardado. Agora que as temperaturas baixas deram uma leve trégua, é hora de cuidar disso antes de a próxima frente fria chegar e lavar malhas, casacos, cachecóis, luvas e gorros antes de usá-los novamente.

Roupa Guardada

É preciso tomar alguns cuidados na hora de lavar essas peças. Se houver bolor, a dica é umedecer com água e água oxigenada 10 volumes e colocar a peça para quarar ao sol. Já para o mofo, em tecido branco ou de cor resistente, mergulhe e deixe um pouco na água com água sanitária diluída. Em tecido de cor, umedeça com suco de limão. Em tecido sintético ou seda, molhe num banho de leite. Sempre leia antes as instruções de lavagem , contidas nas etiquetas das roupas, para não correr o risco de danificá-las. Peças de lã, por exemplo, não devem ser secas em secadora, pois, assim, podem encolher.

Se houver mofo dentro dos armários, é necessário tirar tudo de dentro deles e limpá-los. Prepare um solução com um litro de água para quatro colheres de sopa de vinagre e passe um pano umedecido nas parte internas dos armários. Deixe secar bem e só então recoloque de volta o que foi tirado. Os armários devem ficar abertos por cerca de uma hora todos os dias, principalmente se houver sol, para evitar que o mofo e a umidade se instalem nas roupas, que devem ficar em um espaço ventilado para evitar ácaros.

Até o próximo inverno

Quando o frio for embora, as peças podem ser guardadas em embalagens a vácuo, de maneira que fiquem protegidas da umidade e de traças. Outra opção são as capas de TNT, que permitem que as roupas fiquem ventiladas – ao contrário do plástico. Não há diferença entre guardá-las no armário, em caixas ou em malas, desde que se tome cuidados para prevenir o aparecimento do mofo. O primeiro deles é lavar as roupas antes de guardá-las, mesmo que aparentemente estejam limpas.

Para evitar que as roupas embolorem, o ideal é colocar produtos que absorvem a umidade, vendidos em supermercados. Outra dica de Heloisa é colocar cravos-da-índia no local onde as peças ficarão guardadas, para que elas fiquem com cheiro agradável. Barrinhas de cânfora e bolas de sândalo também evitam o cheiro de mofo, mas não podem ser usadas por pessoas alérgicas. Se você tem o costume de colocar sabonetes ou sachês com as roupas, lembre-se de trocá-los periodicamente.

Antes de guardar sapatos de inverno, a consultora pessoal também recomenda cuidados: engraxe-os, limpe as solas e coloque Lysoform em spray dentro. Deixe que sequem bem, de um dia para o outro, e então guarde-os em sacos de TNT, como os que vêm das sapatarias. Assim como as roupas, não os guarde em sacos plásticos, que impedem a ventilação, o que facilita o aparecimento do mofo.

Fonte: IG 

Bookmark and Share

A compra e a venda de imóveis deve ser informada à Receita na declaração de Imposto de Renda, mas quem vende deve pagar 15% de IR sobre o lucro – a diferença entre o preço que pagou na compra e o preço de venda – já no mês seguinte ao negócio. A exceção é para quem comprar outro imóvel em até seis meses, que fica isento.

IRPF 2014

Para declarar, a primeira tarefa é separar os documentos que comprovam o negócio: compromisso de compra e venda, escritura, comprovantes de pagamento e recebimento e contratos de financiamento, indica o diretor executivo da Confirp, Richard Domingos.

A compra entra na ficha “Bens e Direitos”, em que é indicado o tipo de imóvel por meio do código, a localização e o valor, colocado em “Situação em 31/12/2013” e de 2012.  Em cada um dos campos deve entrar a soma dos valores pagos até o fim de cada ano, incluindo os de impostos de transmissão (ITBI), benfeitorias, parcelas de financiamento pagas, amortizações com FGTS.

Em “Discriminação” o contribuinte deve inserir a descrição do bem como na escritura ou contrato e a data do negócio. “Também é recomendável informar o nome e CPF do vendedor”, diz Lazaro Silva, especialista de IR do Cenofisco.

“Não se paga imposto de renda na aquisição de imóveis. O único que incide é o ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), que geralmente é cobrado na hora de registrar a escritura”, diz Domingos, da Confirp.

Venda
Quem vende, antes de declarar tem de preencher o programa que calcula o lucro que teve. No GCAP (Programa Ganhos de Capital), o vendedor informa os dados de quem negociou, do imóvel, dos custos de aquisição e a forma de pagamento e descobre se houve lucro ou prejuízo.

Se houve ganho, é preciso pagar 15% sobre esse valor até o fim do mês seguinte ao recebimento. No entanto, quem usa o dinheiro da venda para comprar outro imóvel até seis meses depois, não precisar pagar imposto: ganha isenção.

Os dados inseridos no GCAP devem ser importados no programa de declaração do IR e preenchem automaticamente as fichas necessárias como “Rendimentos Tributados Exclusivamente na Fonte” e “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

Na ficha “Bens e Direitos” o vendedor deve indicar o tipo de imóvel por meio do código e descrever data, forma da venda, dados do comprador, valor da venda e do total recebido no campo “Discriminação”. Em “Situação em 31/12/2012” deve entrar o valor pago pelo imóvel até a data e em “Situação em 31/12/2013” fica o valor zero, já que houve a venda.

Se a venda é a prazo, um novo bem deve ser incluído na ficha “Bens e Direitos”, com o código “52 – Código decorrente de alienação”, que significa que há algo a receber de um negócio. O imóvel deve ser descrito no campo “Discriminação”. A “Situação em 31/12/2012” deve ser zero e a “Situação em 31/12/2013” deve indicar a soma dos valores a serem recebidos a partir de 2014.

Erros
Entre os principais erros na hora de declarar negócios com imóveis está o valor pago de um bem comprado por meio de financiamento. Muitos contribuintes colocam o saldo devedor na ficha “Dívida e Ônus Reais”, o que está errado: deve-se apenas informar o valor do que foi pago pelo bem, juntando prestações e taxas, na ficha “Bens e Direitos”.

Também não se deve corrigir o valor do imóvel, e sim repetir sempre o mesmo desde o momento da compra até o da venda – quando será usado o GCAP para verificar o lucro no período. Quem vende deve preencher o GCAP no mesmo mês e pagar o imposto em seguida.

Nos casamentos com comunhão de bens, o imóvel deve constar apenas na declaração de um dos parceiros.

Fonte: G1

Bookmark and Share