1 – Bairro
Uma boa localização é fundamental para se determinar o valor de um imóvel. Aqueles muito afastados do centro valem menos, e aqueles próximos de avenidas importantes valem mais (estar localizado na própria avenida, no entanto, pode ter o efeito contrário por causa do barulho excessivo). Isso vale tanto para um imóvel colocado para aluguel como para venda
portabilidade de credito
2- Planta
A planta do imóvel e a forma como os cômodos são distribuídos valorizam principalmente imóveis colocados à venda, mas não muito aqueles que serão alugados. Alterações muito significativas na planta original do apartamento tendem a desvalorizar o imóvel, porque o comprador geralmente quer deixar o lugar com o seu jeito
3 – Móveis embutidos
Armários embutidos podem valorizar o imóvel que está para ser alugado. Mas nem sempre isso vai acontecer com um que está à venda. Isso porque quem procura imóvel para comprar prefere dar a sua cara ao lugar, uma vez que espera ficar lá por muito tempo
4 – Documentação

Se a ideia é colocar o imóvel à venda, é fundamental que sua documentação esteja regularizada. Uma documentação enrolada ou com algo pendente desvaloriza o imóvel e faz com que muita gente desista da compra

5 – Vista

Apartamentos de mesmo tamanho e localizados no mesmo prédio têm valores diferentes porque existem fatores que impactam no preço, como entrada de iluminação natural e vista. Se as janelas dão para o prédio vizinho, por exemplo, isso desvaloriza o imóvel; imóveis em que a luz natural não bate diretamente também costumam valer menos

6 – Manutenção

A falta de manutenção em pias e torneiras e a umidade nas paredes prejudicam o imóvel e o desvalorizam. De nada adianta ter um armário embutido, por exemplo, se o estado do móvel é ruim.

7 – Área de lazer

Áreas de lazer com muitas opções costumam agradar a famílias com crianças. Casais de idosos e executivos, por outro lado, não tendem a se importar muito com elas. Assim, a valorização das áreas de lazer vai depender muito do perfil do interessado no imóvel

8 – Aparência externa

O bom estado de conservação da fachada da casa ou do prédio valoriza o imóvel. Pichações, grama alta e falta de pintura, por outro lado, dão a impressão de descuido e abandono, e ajudam a desvalorizar o espaço

9 – Segurança

Imóveis localizados em bairros com alto índice de criminalidade, com muitos casos recentes de assaltos e roubos de carros, por exemplo, costumam valer menos

10 – Beleza da região

Para pessoas de renda mais alta, a beleza da região em que o imóvel está localizado, o fato de ser arborizado e o perfil da vizinhança valorizam o imóvel. Para a classe média e a renda mais baixa, não são determinantes

11 – Transporte público

Facilidade de condução pode valorizar e desvalorizar um imóvel, dependendo do tipo de morador a que ele é destinado. Corredores de ônibus e estações de metrô atraem mais compradores de classe média e baixa. Mesmo assim, pouca gente quer tudo isso na porta de casa; a valorização é maior se estiver no entorno

12 – Enchente e favela

Prédios localizados em ruas que sofrem com enchentes têm imóveis menos valorizados. A proximidade com casas de detenção, favelas e outros locais que possam aumentar a sensação de insegurança também desvalorizam o imóvel

13 – Supermercados e outros serviços

Imóveis de padrão médio e econômico são mais valorizados se contarem, em sua proximidade, com supermercados, farmácias, escolas e outros serviços. Em imóveis de alto padrão, valoriza-se mais a proximidade com estabelecimentos nobres, como shopping centers, restaurantes, faculdades e parques

14 – Feira livre

A busca por alimentação saudável aumentou o charme das feiras livres e elas tendem a ser valorizadas pelos consumidores. Mas o ideal é que a feira esteja em suas próximas; se estiver na frente de casa, isso é motivo de desvalorização.

Fonte: Uol
Bookmark and Share

O preço médio dos imóveis em novembro cresceu menos que a inflação, segundo pesquisa divulgada pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e pelo portal ZAP Imóveis. Nas 20 cidades pesquisadas, o aumento do Índice FipeZap foi de 0,45% – valor menor que a variação do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 0,59% esperada para o mês. Isso quer dizer que o preço dos imóveis cresceu menos que a inflação entre outubro e novembro, o que significa queda em termos reais.

casa propria
No acumulado do ano, os imóveis tiveram pequeno aumento real, acompanhando o ritmo de desaceleração dos últimos meses. Nos primeiros 11 meses de 2014, a alta do FipeZap foi de 6,35%, valor 0,68 ponto percentual superior ao IPCA do período (considerando a expectativa de inflação no mês de novembro apurada pelo boletim Focus / Banco Central).

Continue lendo…

Bookmark and Share

Uma decisão tomada nesta terça-feira (25) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve contribuir para reduzir o custo da energia no país e, em consequência, aliviar os altos reajustes nas contas de luz esperados para os próximos anos no Brasil. A diretoria da agência aprovou a redução do preço máximo a ser cobrado pela energia negociada no chamado mercado à vista, dos atuais R$ 822,83 para R$ 388,48 o megawatt-hora (MWh).

conta de luz

A legislação do país obriga as distribuidoras a terem, sob contrato e a preços fixos, toda a eletricidade que precisam para atender aos seus consumidores. Isso visa evitar que essas distribuidoras precisem recorrer ao mercado à vista, onde os preços flutuam de acordo com a situação dos reservatórios das hidrelétricas e previsão de chuvas, por exemplo.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Contratar um bufê para fazer a festa de casamento, formatura ou aniversário requer alguns cuidados para evitar prejuízos. Recentemente, cerca de 40 casais foram prejudicados com o fechamento inesperado de um bufê em São Paulo.

casamento_dinheiro

De acordo com o Procon-SP, as reclamações contra esse tipo de evento acontecem todos os anos. No primeiro semestre de 2013, a instituição recebeu 625 reclamações. Neste ano, foram 418.

Segundo a assessora técnica do Procon-SP, Fátima Lemos, as principais críticas são relacionadas à má prestação de serviços, como servir comida e bebida de baixa qualidade ou estragada, ou até mesmo a não execução dos serviços (como falhas na filmagem ou nas fotos).

Além disso, problemas com contrato e cobrança indevida também motivam as reclamações.

Pesquisar a reputação da empresa é fundamental

Para evitar aborrecimentos, a dica é pesquisar bastante antes de contratar, o que inclui Procon, redes sociais e amigos. Deixe todas as orientações sobre a festa por escrito no contrato.

É possível consultar processos em nome da empresa nos Tribunais de Justiça de cada Estado. No Tribunal de Justiça de São Paulo, por exemplo, encontra-se o processo digitando o nome da empresa (escolha a opção nome da parte).

O consumidor também pode verificar se a empresa está no cadastro de reclamações fundamentadas do Procon-SP (em outros Estados, os Procons igualmente podem ajudar: http://zip.net/bdpRSS)

Se a empresa fechar as portas e os donos sumirem, porém, o consumidor terá de procurar a Justiça para pedir indenização por perdas e danos.

Leia, a seguir, oito dicas para tentar evitar problemas e cinco sugestões sobre o que fazer quando já houver pontos pendentes.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Bookmark and Share

Fim de ano é hora de fazer a matrícula escolar. A decisão de estudar em determinado estabelecimento deve levar em conta o projeto pedagógico e também a capacidade da família de arcar com o custo da escola, no caso das escolas particulares.

FeriasEscolares

Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira, afirma que, além da mensalidade, é preciso levar em consideração todas as despesas envolvidas com educação, como gastos com uniforme, material escolar, transporte, lanche e passeios eventuais.

Mensalidade tem que caber no bolso

“O estudo não deve ser considerado como despesa, mas como investimento. É importante escolher uma instituição que tenha boa estrutura e bom corpo docente”, diz.

A escola, porém, tem que estar dentro das possibilidades financeiras da família.

Não adianta iniciar os estudos em determinado estabelecimento e depois ficar inadimplente. Se não for possível negociar uma bolsa, é melhor mudar para uma escola que esteja dentro dos padrões da família.

Antes de assinar o contrato

Claudia Almeida, advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), diz que é preciso tomar bastante cuidado na hora de assinar o contrato com a escola.

“É preciso ler o contrato, verificar a planilha de custos que levou à composição da mensalidade e acompanhar de perto a prestação de serviços”, diz.

Onde reclamar

Se houver problemas pedagógicos com a escola, no caso do Ensino Fundamental e Médio, é possível reclamar na Secretaria Estadual da Educação dos Estados, por meio das Delegacias de Ensino.

Se a reclamação for relativa ao ensino superior, procure o Ministério da Educação (MEC) pelo telefone 0800 616161 ou pelo e-mail sic@mec.gov.br.

Como escola e aluno têm uma relação de consumo, também é possível recorrer ao Procon ou ao Poder Judiciário de cada Estado.

Continue lendo…

Bookmark and Share

A Secretaria da Receita Federal lançou segunda-feira (3) uma aplicação online, que poderá ser utilizada para desktops e também para dispositivos móveis, como tablets e smartphones, que funcionará como um “rascunho” do Imposto de Renda.

IRPF 2014

Não será necessário o uso de certificado digital para utilizar o novo programa, que estará disponível ainda nesta segunda-feira na página do órgão e até o dia 28 de fevereiro.

Para tablets e celulares, o aplicativo já está disponível para os sistemas operacionais IOS (clique aqui para acessar) e para Android (clique aqui para acessar).

A partir de março, quando começa o período de declaração do Imposto de Renda, o uso do aplicativo não estará mais disponível – fica liberada apenas a importação do arquivo pelo programa de declaração do Imposto de Renda. O uso do rascunho do IR é opcional.

De acordo com o subsecretário de Arrecadação e Atendimento do Fisco, Carlos Roberto Occaso, o contribuinte poderá, com esta aplicação, lançar operações ao longo do ano, logo assim que elas acontecerem, e quando iniciar a temporada de declaração do Imposto de Renda, em março do ano seguinte, apenas importar o arquivo – facilitando a vida do contribuinte.

“Se eu vendi um carro no mês de janeiro, por exemplo, já posso lançar isso no rascunho do IR para não esquecer os dados. Quando chega a hora de declarar o IR, não tem de ficar mais procurando quais são os dados do comprador, onde está o recibo. O contribuinte também poderá lançar, por exemplo, recibos de consultas com dentistas e médicos. Com recibo em mãos, já coloca no rascunho”, explicou Occaso.

Segundo o Fisco, a aplicação também será útil, por exemplo, para trabalhador liberal que tem recebimentos mensais. Entre as operações que poderão ser lançadas estão: dependentes, despesas dos dependentes, rendimentos, pagamentos efetuados ao longo do ano e movimentação de bens e direitos.

Continue lendo…

Bookmark and Share

O juros do cheque especial foram na contramão da taxa média dos juros bancários, que caíram em setembro. Segundo números divulgados nesta quinta-feira (30) pelo Banco Central, a taxa média dos bancos cobrada no cheque especial atingiu 183,3% ao ano no mês passado. É do maior valor desde abril de 1999, quando estava em 193,6% ao ano, ou seja, em mais de 15 anos.

juros-subindo

No acumulado deste ano, os juros cobrados pelos bancos no cheque especial, uma linha de crédito de emergência, pois possui uma das taxas mais elevadas de todas operações (junto com o cartão de crédito, quando o cliente não paga toda a fatura), avançaram 35,4 pontos percentuais, visto que estavam em 147,9% ao ano no fim de 2013. Esse crescimento foi o maior de todas as operações das pessos físicas e, inclusive, de empresas, disponibilizadas pelo BC.

Economistas avaliam que o consumidor deve tentar evitar ao máximo o uso do cheque especial, por conta das altas taxas cobradas pelas instituições financeiras. Para eles, esta é uma linha de crédito para momentos de necessidade e deve ser utilizada por um período reduzido de tempo.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Entre as pessoas com pendências financeiras, 57% são casadas ou estão em união estável. Os dados são de uma pesquisa sobre o perfil do inadimplente da SCPC Boa Vista, referente ao 3º trimestre de 2014. Entre os entrevistados pelo estudo, 46% são casados e 11% estão em união estável.

Endividamento-das-famílias

Os solteiros representam 32% das pessoas com nome na lista de devedores. Separados e divorciados, 9% e viúvos, 2%. Os homens também são maioria entre os inadimplentes, representando 61%.

O economista Flávio Calife, da SCPC Boa Vista, conta que esse é um padrão que se repete em levantamentos de perfil de inadimplentes. “A maioria dos solteiros ainda vive com alguém, os pais por exemplo. Com as contas de uma nova casa, muitas vezes demora para entender o orçamento, e sem dúvida custos a mais acabam dificultando os pagamentos”, diz.

Continue lendo…

Bookmark and Share

Como já dizia o famoso físico irlandês William Thomson Kelvin: “Aquilo que não se pode medir não se pode melhorar”. Pois se você está pensando em organizar suas finanças em 2014, seja para se livrar de dívidas, ou para acumular um milhão de reais em dez anos, fazer um controle das despesas e receitas é a melhor forma de começar seu projeto.

controle de gastos

Nesta galeria você encontra 10 planilhas, sites e apps de controle financeiro que agradam dos mais generalistas aos mais minuciosos. São sugestões para quem ainda gosta da boa e velha planilha de Excel ou para quem prefere fazer tudo pelo smartphone. Navegue e veja qual sugestão se encaixa melhor ao seu modo de gerenciar suas finanças pessoais.

Continue lendo…

Bookmark and Share