A chegada do verão exige cuidados com os animais de casa, que também sofrem com as temperaturas altas da estação. Se os dias quentes são convidativos a passeios ao ar livre, viagens e brincadeiras na água, o bem-estar do seu bichinho requer atenção redobrada dos donos.

cachorro no calor

 

Uma das recomendações mais básicas dos veterinários é o horário da ida ao parque, que deve ser sempre em temperaturas mais amenas. O sol forte castiga o cão, que pode sofrer fadiga, desidratação e até queimadura nos coxins, aquelas almofadinhas das patas. Durante o programa, é importante fazer pausas para hidratação e descanso na sombra.

Cães de focinho curto, como pugs e buldogues, são raças que têm, por natureza, maior dificuldade na transpiração e, portanto, sofrem mais com o calor. Seja cauteloso e fique atento ao ritmo da corrida. Em vez de pedalar e puxar seu cão pela coleira, prefira andar ao lado dele, evitando forçar demais o ritmo da atividade.

Leia mais…

Bookmark and Share

Quando ele chega em casa, pequenino e todo engraçadinho, é impossível resistir aos seus encantos. Afinal, ter um pet em casa traz muitas alegrias para toda família – não fosse o problema do cheiro que eles podem deixar na casa, e principalmente, nos tapetes. Mas não precisa se desesperar: com algumas medidas simples e práticas você vai deixar a sua casa cheirosa e livre de bactérias. Anote as dicas!

Entenda o problema

Para eliminar o problema por completo, é preciso entender o porquê do cheiro do seu mascote. Quando o animal possui algum problema de pele, as bactérias podem proliferar e aumentar o mau cheiro – que acaba por fixar nos locais onde ele fica. A baixa frequência de banhos também contribui com o odor, então leve seu peludo para o banho e tosa regularmente.

Além do cheiro proveniente dos pelos e pele, o filhote geralmente acaba fazendo xixi onde não deve. Se o local não for devidamente limpo, o cheiro pode ficar insuportável. É importante ensiná-lo desde cedo o local onde ele pode fazer suas necessidades: quanto antes você adestra-lo menores serão os incidentes pela casa.

cachorro ape

Livre-se da sujeira!

Animais que ficam dentro de casa deixam sua marca por onde passam. Para iniciar a limpeza, garanta a remoção dos pelos que ficam grudados nos carpetes e tapetes, passando o aspirador de pó ou vassoura.

No caso do xixi fora do local, comece a limpeza retirando todo o excesso da urina. Utilize papel toalha ou jornal para ajudar na absorção. Se você achar necessário, repita a operação para garantir o maior volume de umidade a ser retirado do tapete.

Tapetes limpos e sem manchas

Além do cheiro, a urina também pode manchar os tapetes da casa – o que não é agradável. Para solucionar o problema, basta aplicar o limpa carpetes e tapetes, produto que limpa, amacia, perfuma e elimina a indesejável mancha.

Para utilizar com eficácia, lembre-se dos primeiros passos: tire todo o excesso da urina, passe o aspirador de pó, para eliminar demais resíduos, e depois aplique o produto. Misture três tampas cheias do produto em meio litro de água e aplique com o auxílio de uma escova com cerdas macias (para não estragar os fios do tapete). Deixe secar por 2 horas e finalize passando o aspirador de pó novamente.

Com essas dicas simples você terá uma casa limpa, livre de bactérias e muito mais tempo para curtir e mimar este especial integrante da família.

Bookmark and Share

ara algumas pessoas, usar roupas escuras é o mesmo que declarar que tem um animal de estimação em casa. E várias vezes, por mais que tentamos manter as roupas livres de pelo, é quase impossível sair sem pelo na roupa. Sabercomo tirar pelo de roupa nas diversas situações do seu dia-a-dia pode fazer um grande diferença no seu dia-a-dia.

Como-Tirar-Pelos-de-Roupas-Pretas

Por mais que você tente proteger a sua roupa do pelo do seu animal de estimação, a verdade é que ele flutua pelo ar e assim, se encontra nas suas roupas, móveis e tapetes. Abaixo, inserimos algumas dicas sobre como tirar pelo de roupa em várias situações da sua rotina diária.

Como tirar pelo de roupa, depois que você já saiu de casa

Muitas vezes, a roupa está livre de pelo quando está no armário, mas assim que você chega no trabalho, percebe que no caminho, ela ficou cheia de pelo. O bom é que, com um pouquinho de água e em menos de um minuto, você consegue remover o pelo da sua roupa.

Abaixo explicamos como tirar pelo de roupa com água (e papel toalha):

  1. Molhe as suas mãos e as chacoalhe até que fiquem úmidas;
  2. Passe a mão úmida na sua roupa na direção de cima para baixo;
  3. Molhe as mãos para tirar o excesso de pêlo e chacoalhe novamente. Se você não tiver perto de uma pia, limpe o excesso de pelo no papel toalha e molhe as mãos novamente;
  4. Repita o processo até tirar todo o pêlo da sua roupa;
  5. As vezes, o pelo continua preso mesmo você fazendo esse movimento várias vezes. Nesses casos, você pode mudar a direção d as suas mãos para tirar os pelos que sobraram.

Como tirar pelo de roupa preta

Para a maioria dos donos, a roupa preta é a que mais destaca os pelos do animal de estimação. Ao invés de você abandonar as roupas pretas do seu armário, siga essa simples dica sobre como tirar pelo de roupa preta em segundos.

Para remover o pelo, você precisará de água e de uma esponja de cozinha. É importante que a esponja seja nova ou que ela seja somente utilizada para essa função. Isso para garantir que não terá resíduos nela que possam manchar ou estragar a roupa.

Pegue um esponja de lavar louças e molhe o lado amarelo (ou macio);

  1. Tire o excesso de água para que a esponja fique úmida;
  2. Passe o lado macio da mesma na sua roupa, na direção de cima para baixo;
  3. Tire o excesso de pêlo e a mantenha a esponja úmida;
  4. Repita o processo até remover todo pêlo da roupa.

Use somente o lado macio da esponja. O outro lado mais áspero pode estragar as suas roupas.

Como tirar pelo da roupa quando você está no carro (ou sem acesso à água)

Um dos lugares mais difíceis de tirar pelo da roupa é quando você está dentro do carro, principalmente por que não há acesso à água. Nessas horas, uma luva látex de lavar louças pode ser a diferença entre uma roupa com pelo e uma sem pelo.

  1. Pegue a luva de latex e passe na sua roupa (aonde tem pêlo) na direção de cima para baixo;
  2. Remova o excesso de pêlo da luva;
  3. Repita o processo até tirar o pêlo da sua roupa;
  4. Se você não quiser usar a luva inteira, deixe somente um pedaço na sua bolsa.

Como tirar o pelo de roupa durante a lavagem na máquina de lavar roupas

Tanto gatos quanto cachorros adoram deitar na roupa dos donos. Por esse motivo, não é incomum encontrar animais dormindo no cesto de roupas sujas dos donos. Nesses casos, é importante que o pelo seja removido dentro da máquina durante a lavagem.

Para diminuir a quantidade de pelo que fica nas suas roupas, é ideal aspirar a casa e escovar o seu animal de estimação com frequência. Similarmente, é importante limpar o filtro com mais frequência dado que ele ficará cheio de pelo.

Durante a lavagem das suas roupas, insira um pouco de vinagre branco na máquina, junto com o detergente.  Isso ajudará a tirar o cheiro de cachorro e/ou gato das roupas, remover o pelo e também prevenir que mais pelos fiquem grudados na sua roupa durante o dia.  E fique tranquilo, a sua roupa não ficará com cheiro de vinagre.

Fonte: Link Animal

Bookmark and Share

Se você mora em um apartamento pequeno e quer um bicho de estimação, é essencial ter bom senso ao escolher o animal – pensando especialmente no porte – e em relação às suas atitudes de convivência para com o novo morador.  A criação do cão ou gato requer cuidados como prover alternativas para exercícios e brincadeiras e delimitar um espaço, mesmo que reduzido, que seja somente do animal.

gatos

Não existe uma metragem mínima estipulada para que se possa criar bem um pet, mas a veterinária especialista em comportamento animal e parceira da Comac (Comissão de Animais de Companhia do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal), Ceres Faraco, lembra que nenhum bichinho é feliz se ficar confinado, por exemplo, em áreas de serviço ou varandas.

Os animais domésticos precisam de exercícios, brincadeiras e interação social. “Eles costumam viver bem independente do espaço ser pequeno, mas as suas necessidades devem ser atendidas”, defende Faraco.

Por terem um comportamento mais tranquilo, os felinos de modo geral se adaptam bem a apartamentos, mesmo os com 35 m². Se a ideia for criar um cachorro, os de pequeno e médio porte são mais indicados porque vivem com mais facilidade nos espaços reduzidos dos apês. Raças como Poodle, Yorkshire, Fox Terrier, Schnauzer, Pinscher, Dachshund, Shih-Tzu e Pug são algumas das recomendadas. Os vira-latas (SRD) também podem viver em apês pequenos, caso você queira adotar um, pesquise sobre a origem e o tamanho dos pais – no caso de filhotes, para ter ideia do porte do animal – ou leve para casa um cãozinho já adulto.

Caso opte por cães miúdos, é possível ter até dois deles ou então criá-lo com um gato. “O número de animais e a convivência entre espécies dependem da possibilidade do dono de assegurar as condições para o bem-estar do ponto de vista físico e psicológico”, ressalta a veterinária.

Enriqueça o ambiente

Para os cães e gatos que vivem em apartamento, o ideal é que o espaço dedicado ao animal seja enriquecido com objetos recreativos que estimulem exercícios e brincadeiras. Ossinhos, mordedores, brinquedos que liberam comida ou que são mastigáveis, são alguns recursos. Esses elementos reduzem a monotonia do cão, em especial, se esse animal costuma ficar muito tempo sozinho diariamente.

“Esse ‘cantinho’ deve ser agradável, ter um espaço para a caminha, ser limpo e arejado, de preferência longe de intensas correntes de ar e umidade, evitando problemas respiratórios e de pele”, explica a veterinária da empresa Pet Center Marginal, Giuliana Tessari.

Para os felinos, arranhadores, brinquedos ou mesmo prateleiras, estantes e outros móveis que possibilitem a exploração animal, aumentam a área de circulação dentro do apartamento. É importante, porém, colocar telas de proteção nas janelas e sacadas para impedir que os curiosos bichanos se acidentem.

Continue lendo…

 

Bookmark and Share
Como entramos numa estação fria, chuvosa e imprevisível que é o Inverno, é importante estar atento para os cuidados que devemos ter com os cães para que eles não contraiam nenhuma espécie de gripe ou virose. Além de comprometer o orçamento da família com remédios e tratamentos, é claro, pomos também em risco a saúde do animal, mesmo que seja só um simples resfriado.
cachorro resfriado
A maioria das pessoas acham que a gripe ou resfriado que contraímos não afeta os cães. Pelo contrário! Assim como nós, seres humanos, os cães podem ser atingidos por vírus e bactérias que provocam sintomas semelhantes como: tosse, espirro, febre, falta de apetite e coriza.

Neles, o vírus tem um nome específico que se chama traqueobronquiteinfecciosa canina, ou tosse dos canis. “Se a doença não for tratada, pode virar uma sinusite. Em casos extremos, quando o animal tosse durante o dia inteiro, o problema pode resultar em uma pneumonia”, explica Carla Alice Berl, Médica veterinária e diretora do Hospital veterinário Pet Care. Com isso, se aparecer um desses sintomas em seu cão, leve-o rapidamente ao veterinário. De acordo com o estágio da doença, serão utilizados anti-inflamatórios e inalação com vapor.
Mas não se preocupe. A gripe do cão não atingirá você ou sua família. O vírus se propaga pelo ar sempre em animais da mesma espécie. Por isso um alerta da veterinária: “Pessoa que possuem vários animais em casa devem ter muito cuidado nesta época do ano. Se um cachorro contrair o vírus ou bactéria da doença, por exemplo, os outros animais também serão infectados.”
Como prevenir a gripe
A melhor maneira de evitar o resfriado em seu cão é a vacinação, segundo Carla Berl. “Existem duas opções de aplicação. A dose única, chamada de intranasal, na qual o líquido é colocado dentro das narinas do animal; e a injetável, que é aplicada em duas doses no intervalo de 30 dias”. Estas duas formas protegem o cão por um ano. O preço fica entre R$ 30 e R$ 50. Uma outra forma de prevenir é utilizar roupinhaspara aquecê-los. É mais necessário para cães que possuem pelos curtos. Os de pelo longo tem que ter mais cuidado para não deixar o peloembaçar. Para Carla tem que ter bom-senso por parte dos donos na hora de decidir tosar o bichinho nesse período de inverno.
“Os pelos protegem e aquecem. Assim, os animais sentem menos frios quando não estão com a pelagem curta demais”. Uma curiosidade é que, no caso dos gatos, dificilmente eles são afetados pela baixa temperatura, pois normalmente se alojam nos lugares maisaconchegantes e quentes da casa.
Aquece e embeleza
Assim como nós, os cães também precisam se proteger do frio. A roupinha não só esquenta o bichinho como o deixa mais bonito. As de lã, malha e algodão devem ser de acordo com o porte do cão, pois existe de vários tamanhos. Se seu cão apresenta pelo longo o aconselhado é o uso da roupinha de malha. Mas se for de pelo curto o melhor é a de lã. O mais importante é a escolha da mais confortável a eles. “Caso ele não se adapte, invista em uma cama ou malha para esquenta-lo”, é o que sugere a médica veterinária Gislaine Matos.
De olho na temperatura
Só há uma maneira de saber se seu cão está com febre ou não. A maneira é a introdução do termômetro pela via retal e na maioria da vezes eles não dixam que isso seja feito em casa. Existe uma outra forma se “presumir” o estado febtril: há perda de apetite, sonolência em demasia e aumento da temperatura em regiões com ausência de pelo. “No caso do cão, a temperatura média gira em torno de 38ºC a 39°C, portanto, maior que a nossa. Por isso é muito comum acharmos que eles estão mais quentes”, explica Marcelo Quinzani, diretor clínico do Hospital Veterinário Pet Care. O nariz dos cães pode ficar seco por várias razões, entre elas a febre. Se suspeitar que seus animal apresenta algum desses sintomas, procure um veterinário.
Fonte: Cão em Movimento
Bookmark and Share

Sonhando em ter um cachorrinho de estimação? Há várias raças, cada uma com características diferentes. Mas antes de se decidir entre um deles lembre-se de uma coisa: os animais não são objetos dos quais podemos nos desfazer pelo simples mudar de gosto ou idéia. Chegam tomando espaço na casa inteira e também em nosso coração. Prepare-se para recebê-los sem se arrepender depois.

cachorro
Brinquedos
Adquira todos os itens necessários antes de trazer seu filhote para casa.
Ele vai querer brincar com sapatos, meias, poltronas, portas e qualquer outra coisa que possa mordiscar.
Por volta dos seis meses é importante que você compre brinquedos próprios para este fim, já que os dentes definitivos começam a nascer.
Certifique-se que o brinquedo não seja de material sintético, não tenha partes metálicas e que tenha tamanho apropriado.
Tigela de comida
Preste atenção também na escolha da tigela de comida.
Se ela for muito pequena seu cão não vai conseguir abrir a boca totalmente para se alimentar, terminando por virar a tigela e espalhar a ração no chão.
As tigelas devem sempre ficar a altura do peito de seu animal para maior conforto então, à medida que ele cresce, ela deve ser suspensa do chão, evitando que seu bichinho engula ar enquanto come (aerofagia). As pet shops estão equipadas com mesas apropriadas para todos os tipos de portes de cães.
Área de dormir
Na hora de escolher um lugar para seu cãozinho dormir, dê preferência a locais onde ele possa se refugiar quando houver visitas em casa, quando estiver doente ou quando alguma criança o estiver perturbando.
A área de serviço do apartamento – ou a lavanderia da casa – é o espaço mais adequado para hospedá-lo nos primeiros três meses, até que comece a se ambientar.
Se a porta da cozinha ficar permanentemente aberta, apele para um portãozinho.
Cama
Quanto à cama, evite as feitas com vime, pois eles podem roê-las e acabar engolindo farpas e fragmentos perigosos para o trato digestivo.
Evite também as de náilon e plástico flexível, pois podem ser tóxicas.
Procure as feitas de tecido a base de algodão ou outras fibras naturais que sejam laváveis e sem botões que possam ser engolidos.
Camas de fibra ou plástico endurecido também são boas opções para seu cãozinho, pois são facilmente laváveis. Para torná-las mais confortáveis, use uma manta ou cobertor feito de algodão. O tamanho deve ser adequado à raça e não esqueça que os cães dormem encolhidos.
Casas
As casas de fibra são as melhores opções, pois são facilmente laváveis.
As que são feitas de madeira trazem muitos problemas: facilitam a proliferação de pulgas e carrapatos nas frestas, absorvem umidade e urina e duram menos do que as de fibra sintética.
Se preferir acomodar seu cão dentro de uma casinha no quintal, procure o material adequado.
Organize-se
Antes mesmo de adotar um cachorrinho, procure definir algumas tarefas entre as pessoas da casa.
Quem vai cuidar da sua alimentação? Quem vai cuidar da higiene? Quem vai levá-lo para passear?
Segurança
Verifique na sua residência se existe algum fio elétrico solto ou objetos frágeis que possam ser derrubados facilmente. Seu animal doméstico pode causar acidente com eles. Muito cuidado ao guardar materiais de limpeza, pesticidas, raticidas, pois essas substâncias são perigosíssimas. Até mesmo alimentos comuns e plantas podem causar problemas para a saúde do seu cachorro. Medicamentos destinados a seres humanos não devem, em hipótese alguma, ser utilizados para o tratamento de seu animal doméstico. Qualquer substância estranha ao corpo do animal pode ser fatal. Fique sempre atento com o comportamento do seu cão para detectar se ele está doente ou se machucou de alguma forma. Neste caso, leve-o ao veterinário.
DICA
Quando o cachorro fizer xixi dentro de casa, limpe logo com vinagre ou produtos específicos para eliminar o cheiro. Pimenta-do-reino também age como repelente. Não maltrate seu bichinho: esfregar seu nariz no xixi e gritar com ele não adianta nada, só vai apavorá-lo.
Fonte: OZ!
Bookmark and Share

Sonhando em ter um cachorrinho de estimação? Há várias raças, cada uma com características diferentes. Mas antes de se decidir entre um deles lembre-se de uma coisa: os animais não são objetos dos quais podemos nos desfazer pelo simples mudar de gosto ou idéia. Chegam tomando espaço na casa inteira e também em nosso coração. Prepare-se para recebê-los sem se arrepender depois.

cachorro em casa

Brinquedos
Adquira todos os itens necessários antes de trazer seu filhote para casa.
Ele vai querer brincar com sapatos, meias, poltronas, portas e qualquer outra coisa que possa mordiscar.
Por volta dos seis meses é importante que você compre brinquedos próprios para este fim, já que os dentes definitivos começam a nascer.
Certifique-se que o brinquedo não seja de material sintético, não tenha partes metálicas e que tenha tamanho apropriado.
Tigela de comida
Preste atenção também na escolha da tigela de comida.
Se ela for muito pequena seu cão não vai conseguir abrir a boca totalmente para se alimentar, terminando por virar a tigela e espalhar a ração no chão.
As tigelas devem sempre ficar a altura do peito de seu animal para maior conforto então, à medida que ele cresce, ela deve ser suspensa do chão, evitando que seu bichinho engula ar enquanto come (aerofagia). As pet shops estão equipadas com mesas apropriadas para todos os tipos de portes de cães.
Área de dormir
Na hora de escolher um lugar para seu cãozinho dormir, dê preferência a locais onde ele possa se refugiar quando houver visitas em casa, quando estiver doente ou quando alguma criança o estiver perturbando.
A área de serviço do apartamento – ou a lavanderia da casa – é o espaço mais adequado para hospedá-lo nos primeiros três meses, até que comece a se ambientar.
Se a porta da cozinha ficar permanentemente aberta, apele para um portãozinho.
Cama
Quanto à cama, evite as feitas com vime, pois eles podem roê-las e acabar engolindo farpas e fragmentos perigosos para o trato digestivo.
Evite também as de náilon e plástico flexível, pois podem ser tóxicas.
Procure as feitas de tecido a base de algodão ou outras fibras naturais que sejam laváveis e sem botões que possam ser engolidos.
Camas de fibra ou plástico endurecido também são boas opções para seu cãozinho, pois são facilmente laváveis. Para torná-las mais confortáveis, use uma manta ou cobertor feito de algodão. O tamanho deve ser adequado à raça e não esqueça que os cães dormem encolhidos.
Casas
As casas de fibra são as melhores opções, pois são facilmente laváveis.
As que são feitas de madeira trazem muitos problemas: facilitam a proliferação de pulgas e carrapatos nas frestas, absorvem umidade e urina e duram menos do que as de fibra sintética.
Se preferir acomodar seu cão dentro de uma casinha no quintal, procure o material adequado.
Organize-se
Antes mesmo de adotar um cachorrinho, procure definir algumas tarefas entre as pessoas da casa.
Quem vai cuidar da sua alimentação? Quem vai cuidar da higiene? Quem vai levá-lo para passear?
Segurança
Verifique na sua residência se existe algum fio elétrico solto ou objetos frágeis que possam ser derrubados facilmente. Seu animal doméstico pode causar acidente com eles. Muito cuidado ao guardar materiais de limpeza, pesticidas, raticidas, pois essas substâncias são perigosíssimas. Até mesmo alimentos comuns e plantas podem causar problemas para a saúde do seu cachorro. Medicamentos destinados a seres humanos não devem, em hipótese alguma, ser utilizados para o tratamento de seu animal doméstico. Qualquer substância estranha ao corpo do animal pode ser fatal. Fique sempre atento com o comportamento do seu cão para detectar se ele está doente ou se machucou de alguma forma. Neste caso, leve-o ao veterinário.
DICA
Quando o cachorro fizer xixi dentro de casa, limpe logo com vinagre ou produtos específicos para eliminar o cheiro. Pimenta-do-reino também age como repelente. Não maltrate seu bichinho: esfregar seu nariz no xixi e gritar com ele não adianta nada, só vai apavorá-lo.
Fonte: OZ
Bookmark and Share

Que as plantas fazem bem à saúde e dão vida a qualquer ambiente, não há dúvidas. Mas se você tem cães e gatos em casa, preste atenção ao assunto de hoje no Universo Jatobá: muitas delas podem gerar intoxicações nos bichinhos. “Como eles são curiosos e não dispensam brincadeiras, às vezes acabam ingerindo o que não devem. Em alguns casos, os sintomas são confundidos com doenças infecciosas, mas é muito comum as plantas estarem por trás desses quadros de mal-estar generalizado nos pets”, alerta a médica veterinária Karina Mussolino, da Pet Center Marginal, em São Paulo.

plantas toxicas cachorro

O recomendado é prestar atenção aos sinais, como vômitos, manifestações da pele (coceira, manchas), salivação em excesso, dor abdominal, falta de apetite, inchaço nos olhos e na boca, sonolência, agitação extrema, diarreia, dificuldade para respirar (animal fica ofegante), alterações dos batimentos cardíacos, convulsões e até hemorragias. “A intoxicação, dependendo da quantidade de planta ingerida e do tamanho do paciente, pode até matar”, alerta.

Segundo a especialista, a atenção deve ser maior com os filhotes que, por serem mais curiosos, costumam ser as principais vítimas. Mas o que faz o animal comer plantas? Além de achar que se trata de um brinquedo, há casos de pets que comem flores e plantas para matar a sede, a fome ou simplesmente porque estão entediados.

Confira uma lista de plantas podem causar problemas para a saúde de cães e gatos:

Aloe Vera (Babosa)
Alamanda (Roxa)
Azaleia
Bico-de-papagaio
Chapéu de Napoleão.
Cambará.
Comigo-ninguém-pode
Copo-de-leite
Coroa de cristo
Dedo-do-Diabo
Erva-de-rato
Espirradeira
Flor das Almas
Mamona
Olho-de-Cabra
Onze-horas
Pinhão-roxo
Saia branca
Samambaia
Sangue-de-boi
Tulipa
Unha-de-gato
Vernônia

“Em caso de suspeita, não se deve induzir o vômito, nem dar leite ou água. O ideal é procurar auxílio do veterinário o quanto antes possível para não complicar o caso. É importante observar se há restos de plantas nos dejetos dos animais”, aconselha.

Fonte: Delas

Bookmark and Share

A vacinação anual e os vermífugos a cada quatro meses são cuidados básicos de que todo pet precisa. Essas medidas o protegem contra ameaças depositadas literalmente pelo caminho — nos detritos deixados por outros bichos que passearam pela rua, por exemplo — e que são capazes de transmitir verminoses, dermatites e infecções.

Exames de sangue, fezes e urina também devem ser periódicos.  Respeitadas essas recomendações, seu bicho só precisa contar com a expertise do dono na hora da limpeza geral. Mostramos como ao lado.

Faxina na casa
Ela é fundamental para prevenir dermatites, infecções e verminose

Prato e bebedouro - A regra é sempre servir água e comida frescas em tigelas limpas. A cada troca, lave-as com sabão neutro e água corrente para evitar a proliferação de fungos causados pela umidade do alimento.

Limpeza do chão - Deve ser frequente para que microorganismos não se alastrem, possibilitando uma infecção daquelas – com diarreia e vômito no pacote. Mas atenção: não é recomendável usar qualquer produto de limpeza. Nas pet shops é possível encontrar desinfetantes específicos que previnem alergias nas mucosas e na pele do bicho se ele encostar na solução.

O banheiro animal - Hoje existem tapetes higiênicos que absorvem melhor a urina e as fezes do que o jornal. Alguns modelos ainda evitam que as patas do bicho entrem em contato com o material fisiológico. Por último, lembre-se: seu amigo não merece comer perto do local onde faz xixi. Mantenha o banheiro dele bem longe da comida.

Faxina nele
Um minirroteiro para afastar de mau hálito a doenças que levam à surdez

Dentes - Cuidar da saúde bucal do bicho três vezes por semana impede que as doenças periodontais ataquem a boca de seu cão, causando aquele bafo ou deixando-o banguela. Assim, mantenha a escova canina sempre a postos.

Banho - Um a cada 15 dias é o suficiente. No verão, a chuveirada uma vez por semana está liberada. ORELHAS – Seu veterinário pode recomendar produtos específicos para a higiene das orelhas. Esse hábito semanal afasta fungos e infecções que podem levar à surdez.

Pelo - Escová-lo diariamente dá brilho à pelagem, evita que os fios fiquem espalhados pelo chão e elimina os fios mortos que ainda não caíram e formam aqueles nós responsáveis pela coceira. Aproveite a sessão de beleza e aplique no pescoço e na pele do seu amigo remédios contra pulgas e carrapatos. A veterinária Fernanda Malatesta, da clínica Pró-Animal, em Santos, no litoral paulista, frisa que a atenção deve ser redobrada no verão, quando esses habitantes se proliferam com maior velocidade.

Fonte: Saúde

Bookmark and Share